Touros fugitivos estão agora online à procura de patrocinador

Movimento no Facebook procura empresa disposta a comprar os dois animais e a levá-los para o mundo da publicidade, e não para o talho.

Foto
Perfil no Facebook foi criado na passada sexta-feira DR

O caso dos dois touros de raça galega, com mais de 500 quilos, que a 6 de Maio protagonizaram uma fuga em Viana do Castelo, deu origem a um movimento, nas redes sociais, que quer “devolver a liberdade os dois animais”. Um, porém, continua a monte.

Um dos touros, precisamente o mais agressivo e que deu origem à fuga de uma quinta de Perre, foi capturado no domingo na freguesia vizinha de Outeiro, por elementos da Associação de Criadores de Garranos e Barrosã de Santa Luzia, com o apoio de militares do Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (Sepna) da GNR. O animal foi capturado sem que fosse preciso recorrer ao dardo tranquilizante com que a GNR admitia alvejá-lo.

A acção dos criadores foi determinante, segundo o responsável local do Sepna, Jorge Cruz, para a recaptura do animal mais perigoso, apenas com recurso a cordas. O facto de o animal já se encontrar “muito cansado” facilitou, segundo o militar, a operação. O outro animal continua a monte, mas as buscas prosseguem.

O touro capturado está desde a tarde de domingo no estábulo, para recuperar peso e voltar a ser vendido a um talho.

A história dos dois animais sensibilizou um grupo de pessoas que, na sexta-feira, criou uma página no Facebook, designada "Touros em Fuga", que na manhã desta quinta-feira contava com 264 seguidores. O grupo publicou uma carta aberta para mobilizar apoios e garante não ter ligações a qualquer outro movimento. “Somos uma comunidade espontânea que surge a partir deste caso”, lê-se no documento publicado online.

O grupo explica que procura uma empresa interessada em utilizar a imagem destes animais na promoção da sua marca, aproveitando “a singularidade do comportamento protagonizado por estes dois touros, provocando uma onda de interesse na generalidade da opinião pública”. O pedido de parceria, explica-se na carta aberta a potenciais interessados, visa angariar os cinco mil euros pedidos pelo criador que está a vender os bovinos “e encontrar uma herdade que os receba em liberdade”.

O movimento Touros em Fuga espera que este caso “possa servir de inspiração para práticas mais justas e equilibradas, e para um despertar de uma nova prática” na comunicação de empresas que utilizem animais “na publicidade dos seus produtos”.