PS diz que carta do Governo para encontro com Seguro chega com "dois anos de atraso"

Reacção foi do dirigente Miguel Laranjeiro. Líder socialista disse que resposta será dada "para a semana".

Foto
Seguro diz que resposta será dada para a semana Sérgio Azenha

O dirigente nacional do PS, Miguel Laranjeiro, disse este sábado, em Santa Maria da Feira, que a carta enviada esta semana pelo Governo ao secretário-geral do partido, António José Seguro, para um novo encontro de trabalho para debater o plano do ministro da Economia para o crescimento chega com “dois anos de atraso”.

Em declarações aos jornalistas à entrada para o XIX Congresso Nacional do PS, que decorre no Europarque, em Santa Maria da Feira, o secretário nacional dos socialistas para a organização declarou que se o “convite é sério não faz sentido que se meta nos jornais antes de o interlocutor responder”.

O semanário Expresso revela na sua edição deste sábado que o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, convidou António José Seguro para um novo encontro de trabalho já na próxima semana. Passos não esperou pelo desfecho do Congresso do PS para manifestar a Seguro o empenho do Governo em dar seguimento às reunião que decorreu na semana passada em São Bento, e na qual já participou o novo  ministro-adjunto, Miguel Poiares Maduro.

Ainda segundo o Expresso, a ideia é entrar na análise de questões sectoriais – a agenda para o crescimento –, cabendo a cada um dos lados definir quem estará no encontro.

A carta enviada ao secretário-geral do PS, deu entrada  no Largo do Rato na quarta-feira ao final do dia, e foi assinada pelo novo ministro-adjunto, Miguel Poiares Maduro.

Também à chegada ao congresso, António José Seguro disse que “todas as cartas têm resposta” e que a última que recebeu do Governo será respondida “para a semana”.

“Nós recebemos uma carta com o objetivo de nos entregar um documento e de haver várias reuniões com os partidos. Essa carta terá resposta”, disse, citado pela Lusa. Seguro afirmou também que “o destinatário da resposta será o primeiro a saber” a posição do PS.     

O discurso de abertura do segundo dia do Congresso do PS coube ao presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, uma intervenção que antecedeu a discussão da moção do secretário-geral dos socialistas.