Administração Interna e Defesa mexem nas secretarias de Estado

Experiência em cargos de gestão financeira é um dos argumentos para a escolha de Berta Cabral. Na Administração Interna Juvenal da Silva Peneda está de saída.

Berta Cabral e Pedro Passos Coelho nos Açores
Foto
Berta Cabral e Pedro Passos Coelho nos Açores Rui Soares

A economista e militante do PSD Berta Cabral vai substituir Paulo Braga Lino na secretaria de Estado da Defesa. Na Administração Interna, Juvenal da Silva Peneda também está de saída, confirmou o PÚBLICO.

Berta Cabral foi escolhida para o cargo pelo seu currículo ligado a vários cargos de gestão financeira, nomeadamente no conselho de administração da SATA, a companhia aérea açoreana. Em Novembro de 1995, integrou o VI Governo Regional dos Açores, ocupando a pasta de Secretária Regional das Finanças e Administração Pública. A social-democrata foi também presidente da Câmara de Ponta Delgada em alturas distintas.

Esta escolha é ainda fruto de um relacionamento muito próximo do actual ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, o único ministro a deslocar-se aos Açores para fazer campanha por Berta Cabral quando esta se candidatou à liderança do governo regional, em 2012.

O PÚBLICO confirmou, junto de várias fontes, que o Ministério da Administração Interna, tutelado por Miguel Macedo, também vai sofrer uma remodelação. O secretário de Estado adjunto do ministro, Juvenal da Silva Peneda, vai ser substituído.O nome do seu sucessor ainda não é conhecido, embora a intenção do Governo seja concretizar a remodelação já amanhã, segunda-feira.

Berta Cabral - Um passado de ziguezagues com o PSD nacional

Berta Cabral é antiga líder do PSD nos Açores, cargo de que se demitiu em consequência da derrota sofrida nas eleições regionais de 2012, assumindo posteriormente o seu mandato de deputada na Assembleia Legislativa. Nas últimas directas nacionais para a liderança do partido, foi mandatária de Pedro Passos Coelho no arquipélago, apesar das críticas ao primeiro-ministro, em matéria das autonomias e pela sua ausência na campanha eleitoral, que assumiu publicamente.

"Eu penso que o doutor Passos Coelho quando disse que se lixem as eleições estava convictamente a cumprir o seu dever, que em consciência e na consciência dele é o dever que ele deve cumprir", disse Berta Cabral em Janeiro passado, quando o presidente do PSD deslocou-se a Ponta Delgada para encerrar o congresso regional que consagrou Duarte Freitas como novo líder dos sociais-democratas açorianos.

Berta Cabral admitiu que o anúncio do aumento de impostos, feito pelo Governo da República na recta final da campanha para as eleições regionais, "teve muito peso" no resultado final. "A vida é mesmo assim e sei muito bem viver com as circunstâncias", acrescentou.

A dirigente açoriana tinha-se demitido no verão de 2012 da presidência da câmara de Ponta Delgada, antes do termo do segundo mandato, para candidatar-se à chefia do governo regional dos Açores, contra o socialista Vasco Cordeiro, vencedor da disputa. Antes de exercer funções autárquicas, Berta Cabral foi directora regional do Tesouro (1984) e dos Transportes e Comunicações (1988), administradora da Empresa de Electricidade dos Açores (1991), presidente da SATA Air Açores (1994), cargo que deixou em Novembro de 1995 para integrar o VI Governo Regional dos Açores, ocupando a pasta das Finanças e Administração Pública no último executivo açoriano formado pelo PSD.

Durante a campanha para as Regionais do ano passado, chegou a demarcar-se completamente de Passos Coelho, recusando mesmo qualquer comparação com o presidente do seu partido. “Alguém me acha parecida com o dr. Passos Coelho? Alguém acha que tenho um passado que leve as pessoas a pensarem que sou igual ao dr. Passos Coelho?”, questionou na altura, numa entrevista à RTP-Açores. “Eu tenho um passado. Eu não nasci ontem para a política. As pessoas conhecem a minha obra social feita até agora. As pessoas sabem a minha sensibilidade para as questões sociais. (…) Nunca virei a cara a esses problemas”, acrescentou.
 
Desenvolvimento Regional com mais um secretário de Estado
 
Ontem , o semanário "Expresso" avançou o nome de Castro Almeida, presidente da Câmara de São João da Madeira eleito pelo PSD, como secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, ministério de Miguel Poiares Maduro, ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, que assumiu recentemente a pasta.