PSP detém “predador sexual de Alcântara”

Homem de 42 anos é suspeito de “diversos” crimes de coacção e importunação sexual.

PSP foi chamada ao local.
Foto
PSP foi chamada ao local. Foto: Miguel Madeira

A Divisão de Investigação Criminal da PSP deteve um homem suspeito de “diversos” crimes de coacção e importunação sexual nas imediações da discoteca Urban Beach, em Lisboa. Dois grupos de três jovens acusam-no de as perseguir para se masturbar à sua frente.

A PSP refere-se ao suspeito como “predador sexual de Alcântara”, que foi detido na manhã de sexta-feira e é hoje, sábado, submetido a um primeiro interrogatório judicial. O mandado de detenção baseia-se nas “informações recolhidas nas denúncias das vítimas”.

Os crimes de que este homem é acusado aconteceram em Dezembro do ano passado e em Março. No primeiro caso, três jovens foram abordadas no parque de estacionamento junto à discoteca Urban Beach. No comunicado, a PSP conta que se encontravam dentro de um carro, a conversar, quando se sentiram observadas. Mudaram o carro de lugar. Então, o homem “aproximou-se das vítimas com o órgão genital exposto, começou a masturbar-se e a tentar aproximar-se das jovens, que, em pânico, fugiram do local no veículo”.

No segundo caso, em Março, um outro grupo de três jovens foi abordado no mesmo parque de estacionamento, “também de madrugada”. Desta vez, o agressor seguiu “visualmente” as jovens “até as mesmas chegarem a um local pouco iluminado, onde as abordou e começou a masturbar-se, o que as levou a fugir daquele local em pânico”. A PSP refere que, neste caso, “o suspeito conseguiu agarrar o vestido de uma das vítimas para que esta não fugisse, tendo-o inclusivamente rasgado”.

O suspeito agora detido, de 42 anos, já foi condenado noutros processos de cariz sexual, segundo as informações fornecidas pela PSP. A residência do homem, foi alvo de buscas, “na sequência da detenção” e “no âmbito de outra investigação de crimes sexuais”. Nessas buscas, foram apreendidos um computador portátil e três discos externos de memória, “passíveis de conter material ilícito utilizado no cometimento de crimes de natureza sexual”.