“Não faz o menor sentido” não haver este ano Feira do Livro do Porto

O Presidente da Associação Portuguesa de Escritores desafia editores e livreiros a organizarem evento alternativo, para que a tradição se mantenha.

A 83. edição da Feira do Livro do Porto foi cancelada pela APEL, que considera apoios da autarquia insuficientes
Foto
A 83. edição da Feira do Livro do Porto foi cancelada pela APEL, que considera apoios da autarquia insuficientes Paulo Ricca

O presidente da Associação Portuguesa de Escritores (APE), José Manuel Mendes, lamentou a suspensão da Feira do Livro do Porto e disse que a ausência do evento “não faz o menor sentido”.

Em declarações à Lusa, José Manuel Mendes classificou o cancelamento da feira de 2013 como “doloroso e intolerável” e salientou que, “num tempo em que tanto se faz imperiosa a presença do livro na cidade, na vida de todos, a não-existência da feira contribui para o avolumar de todas as densidades trágicas que atravessam a vida pública portuguesa”.

“Gostaria que, de alguma forma, escritores e livreiros, pudessem encontrar, juntamente com editores e outras instituições, um espaço de fazer existir no ano em curso algo que pudesse recuperar a tradição da feira do livro, ainda que em condições transitórias”, acrescentou o presidente da APE.

Embora deixe o apelo para que as instituições e pessoas do Porto ligadas ao livro se unam para levar adiante uma alternativa à feira do livro, José Manuel Mendes ressalva “não acreditar muito” que tal aconteça, preferindo a expressão “desejaria”.

Com maior ou menor apoio quer da Câmara do Porto quer do Estado quer das instituições locais, o presidente da APE desafia os livreiros e editores a terem um “sentido de risco e de ousadia”.

A Feira do Livro do porto realizava-se, ininterruptamente, há 82 anos. A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) espera realizar a 83.ª edição em 2014, já com outros protagonistas na Câmara do Porto, entidade que não cedeu aos pedidos de renovação do apoio financeiro à iniciativa.

Num comunicado emitido ao final da tarde, e assinado pela vereadora do Conhecimento, a autarquia responsabiliza a APEL pelo cancelamento da feira deste ano. A autarca afirma que "compreende e lamenta" a decisão das editoras, garante que o "município mantém-se disponível para continuar a apoiar a realização da feira", mas argumenta que só o fará "em moldes que assegurem o equilíbrio entre um negócio privado e a sua contrapartida de indiscutível interesse público".

Confrontada no ano passado com um pedido de renovação do apoio anual, de 75 mil euros, acordado em 2009 e que vigorou até 2012, a autarquia recusou. "A Feira do Livro é uma actividade comercial desenvolvida por empresas privadas, pelo que se exige da câmara rigorosos critérios, particularmente nestas circunstâncias, na utilização de dinheiros públicos. Ainda assim, o município sempre reafirmou à APEL a sua disponibilidade para continuar a apoiar tão importante iniciativa, nomeadamente a ceder gratuitamente, para o efeito, a plataforma central da Av. dos Aliados, isentando a organização de todas as taxas e licenças, e assegurando apoio logístico na segurança e na limpeza dos espaços de circulação".

Para além da questão financeira, a APEL não gostou de ser tratada como "mera arrendatária de um espaço" na cidade, explicou ao PÚBLICO o vice-presidente da associação, Pedro Pereira da Silva. Ao contrário do que acontece na feira de Lisboa, cujo sucesso os livreiros atribuem ao "espírito de parceria" com que a autarquia encara o evento, no Porto, assinala o dirigente da APEL, a câmara não deu também resposta aos pedidos para um maior envolvimento seu na animação cultural dos Aliados durante as semanas do certame.

Pedro Silva Pereira assinalou ainda que a manutenção do apoio da autarquia permitiria compensar a diminuição dos valores pedidos aos livreiros para participação na feira, condição necessária, em anos de crise acentuada, para garantir uma oferta alargada e minimizar os riscos de prejuízos. Mas, para a autarquia, "não podem ser os contribuintes a suportar os riscos de uma eventual quebra das vendas".

A APEL reclama ainda uma dívida antiga da Câmara do Porto, na ordem dos 15 mil euros. Mas esse valor seria sempre insufiente para reverter a decisão de cancelar a feira deste ano. No entanto, Pedro Pereira da Silva garantiu que a APEL "tudo fará" para, em 2014, garantir um regresso do certame ao Porto. Que terá outros protagonistas na câmara.