Rui Rio acusa o Governo de estar numa ofensiva contra o Porto

Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana chumbou contas da Porto Vivo, sociedade de reabilitação urbana na qual o Estado é parceiro da autarquia

Foto
A nova Praça das Cardosas abriu em Julho do ano passado Adriano Miranda

O Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) chumbou as contas da Sociedade de Reabilitação Urbana Porto Vivo, tal como já tinha sido avançado pelo presidente do IHRU, Vítor Reis, em entrevista ao PÚBLICO. Rio Reagiu ao chumbo, questionando se a ideia do Governo é "fechar o país.

À saida da assembleia geral, Vítor Reis explicou à imprensa que as contas de 2012 serão revistas, antes de serem, novamente, propostas a votação. O responsável do IHRU garantiu que chumbou as contas porque, se as tivesse aprovado, "estaríamos perante uma situação de total falência da SRU".

Vítor Reis revelou ainda que foi pedida uma nova assembleia geral, para analisar o plano de actividades e o orçamento da SRU para este ano, por considerar que a trajectória de 2013 "vai no mau caminho". "Terá de haver cortes de funcionamento", garantiu.

Minutos depois, o presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, defendeu que o problema em que a SRU está envolvido é "político" e que se estava perante "uma ofensiva" contra a cidade. "O problema não é com o IHRU. Falei com o Governo mais do que uma vez e há uma falta de entendimento brutal, que me preocupa muito", disse o autarca.

O chumbo do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) mantém no limbo o futuro da sociedade. No final da assembleia geral (AG), o presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, classificou os resultados da reunião como “extremamente graves” e responsabilizou o Governo, que acusou de estar a ser “ofensivo” para a cidade.

O autarca falava aos jornalistas no final da AG da SRU que terminou, de novo, sem que as contas de 2012 fossem aprovadas e sem a nomeação de um novo conselho de administração. O IHRU, que detém 60% da SRU, e a Câmara do Porto, a quem pertencem os restantes 40%, não conseguiram entender-se.

Rio garantiu que Vítor Reis “chumbou tudo”, mas foi o Governo o alvo das suas críticas. “Se o Governo de Portugal entende que reabilitação urbana do Porto está a correr mal é perfeitamente dramático para o país, porque é difícil encontrar projecto no país que tenha efeitos multiplicadores desta ordem de grandeza. Não sei se a ideia é fechar o país”, disse.

Na entrevista que deu ao PÚBLICO, Vítor reis acusou a Porto Vivo de ter ocultado informação ao IHRU sobre a operação de reabilitação do quarteirão das Cardosas (na foto), uma parceria com a empresa Lucios que o o presidente do instituto considerou um "negócio ruinoso".

 

Sugerir correcção