Cavaco na Colômbia e Peru com remodelação em cima da mesa

Ausência do Presidente, que se faz acompanhar pelo ministro Álvaro Santos Pereira, indica que uma eventual mudança profunda no governo só deverá acontecer depois de 20 de Abril.

Fecho de hospitais locais foi um dos motivos para o protesto que visou Cavaco
Foto
Presidente da República será acompanhado pelos ministros Paulo Portas e Álvaro Santos Pereira

Perto de 70 empresários acompanham o Presidente da República durante a visita que o chefe de Estado realiza na próxima semana à Colômbia e ao Peru. A agenda é marcada pela economia, cultura e política, e inclui a inauguração da Feira do Livro de Bogotá e encontros com comunidades portuguesas naqueles países.

Cavaco Silva, que se faz acompanhar também pelos ministros de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, e da Economia, Álvaro Santos Pereira, responde assim aos convites feitos pelos seus homólogos colombiano Juan Manuel Santos e peruano Ollanta Humala aquando das respectivas visitas a Lisboa no final do ano passado.

A ausência do Presidente da República do país deixa antever que o primeiro-ministro não fará, durante esse período, uma remodelação do Governo.

Segundo informação da Presidência da República, a delegação empresarial que segue de Lisboa para Bogotá e Lima é composta por perto de 40 empresários escolhidos pela AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, e que pertencem a áreas diversas, mas com especial enfoque na construção civil e obras públicas, energia, turismo, transportes ferroviários e tecnologia. A estes juntar-se-ão outras três dezenas de empresários que, ou já operam na Colômbia ou, por uma questão logística, irão ao encontro da comitiva já do outro lado do Atlântico.


Para esta comitiva, haverá um programa de reuniões com empresários e entidades colombianas e peruanas, assim como um seminário económico Portugal-Colômbia em Bogotá, um seminário empresarial Portugal-Peru em Lima, e a constituição da filial da Câmara de Comércio Portugal-Colômbia. Estão ainda em preparação acordos bilaterais com o Peru.

A visita de cinco dias tem um programa preenchido e foi marcada para coincidir com a abertura da Feira do Livro de Bogotá, que tem Portugal como país convidado. Daí que na comitiva siga também o secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier.

Programa intenso
O programa oficial da visita começa na terça-feira (dia 16) com uma cerimónia de homenagem a Simón Bolívar, seguindo-se um encontro privado com o Presidente colombiano José Manuel Santos e um almoço de Estado.

Depois, Cavaco Silva e os deputados portugueses Teresa Leal Coelho (PSD), Carlos Zorrinho (PS), Nuno Magalhães (CDS-PP), Paulo Sá (PCP) e José Luís Ferreira (Os Verdes) visitam o Parlamento, tendo o Presidente um encontro restrito com os presidentes do Senado Roy Barreras e da Câmara dos Representantes, Augusto Posada. À noite, Cavaco oferece uma recepção em honra da comunidade portuguesa na embaixada.

Na quarta-feira, o Presidente português visita a Corte Suprema de Justiça – é tradição, nas visitas de Estado, ser-se recebido também pelo poder judicial – e a Alcaldia Mayor de Bogotá (o órgão autárquico da capital), onde Cavaco Silva será agraciado com a chave da cidade.

Depois participa, com o Presidente Juan Manuel Santos, no encerramento do Seminário Económico Portugal-Colômbia, na apresentação do projecto da empresa portuguesa Prebuild, que assina uma parceira com o grupo colombiano Santo Domingo, e no acto de constituição da filial da Câmara de Comércio Portugal-Colômbia.

A Prebuild tem prevista a construção de um parque empresarial onde preferencialmente se podem vir a instalar empresas portuguesas que invistam na Colômbia. O parque, de 30 hectares, fica a 30 quilómetros de Bogotá, numa zona franca, permitindo a importação e exportação sem taxas aduaneiras.

Depois de uma visita ao Museu do Ouro, Cavaco Silva participa na cerimónia inaugural da Feira Internacional do Livro de Bogotá, que inclui, entre outros, um discurso de Vasco Graça Moura, o escritor convidado da feira, um momento musical da fadista Raquel Tavares, e a inauguração do pavilhão de Portugal na feira.

A representação física portuguesa é assegurada por um pavilhão de 3000 m2, com uma livraria com 30 mil livros, duas exposições (uma de ilustração, outra de arquitectura), um espaço infanto-juvenil e outro de promoção da gastronomia portuguesa. Para esta participação, a Direcção-Geral do Livro e da Biblioteca e o Instituto Camões fizeram um esforço de tradução de 34 novos títulos e durante as duas semanas do evento (de 18 de Abril a 1 de Maio) estarão ali 20 autores portugueses.

Na quinta-feira, dia 18, Cavaco Silva parte para Lima, no Peru, onde é recebido pelo seu homólogo, com quem assina acordos político-económicos, que ainda estão a ser ultimados, de acordo com fonte da Presidência. À noite, participa no jantar de Estado oferecido pelo Presidente Ollanta Humala.

No dia seguinte, depois de uma visita, de manhã, ao Convento de São Francisco, o chefe de Estado português é recebido pela alcaide de Lima, Susana Villarán, de quem recebe a chave da cidade. Ainda antes do almoço oferecido pelo Presidente da República à comunidade portuguesa no Peru, Cavaco Silva encerra o seminário Empresarial Portugal-Peru, onde discursam os dois chefes de Estado.

O Presidente chega a Lisboa ao início da tarde de sábado.