Governo admite restrições à publicidade a bebidas alcoólicas dirigida a jovens

Fim dos patrocínios das cervejeiras aos festivais de Verão chegou a ser discutida mas não avançou. Secretário de Estado da Saúde diz que ainda há medidas que podem ser tomadas.

Foto
Três vezes mais escolarizados do que os pais, jovens poderão ser menos bem sucedidos quanto à inserção no mercado de trabalho Manuel Roberto

A anterior legislação já previa restrições a este tipo de publicidade, mas não teve resultados práticos. No âmbito do debate da nova lei do álcool, Manuel Cardoso, subdirector do antigo Instituto da Droga e da Toxicodependência (agora designado Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências, SICAD), indicou há meses que o reforço destas restrições, que poderiam passar pelos patrocínios dos festivais de Verão, estava a ser analisado. O que não se concretizou.

Hoje, falando numa sessão do Fórum Nacional Álcool e Saúde (FNAS) a decorrer em Lisboa, Leal da Costa apelou a um trabalho no âmbito da contenção dos convites ao consumo, afirmando contar neste processo com “o extremo bom senso” do fórum.

O FNAS, que é composto por organizações governamentais e não governamentais, manifestou, em comunicado, ter sido surpreendido pela diferenciação estipulada na nova lei do álcool quanto à idade mínima legal de acesso a venda de bebidas alcoólicas, que passou a ser de 18 anos só para as bebidas espirituosas, mantendo nos 16 anos a idade mínima legal para a venda e consumo de vinho e cerveja.

Numa proposta da sua comissão executiva aprovada esta manhã em Lisboa, o FNAS defende que os 18 anos deviam ser o limiar mínimo para a venda de todas as bebidas alcoólicas, sem distinções. Leal da Costa, em declarações hoje aos jornalistas, referiu que a diferenciação da idade de venda resultou “do consenso possível” dentro do Governo. 

Joao Goulão, presidente do SICAD, anunciou entretanto que os representantes do sector do vinho suspenderam a participação no FNAS “por terem sido remetidos ao papel de espectadores” na preparação do novo plano nacional para os comportamentos aditivos e dependências, que será apresentado durante a tarde desta quinta-feira.