Associação 25 de Abril quer “vencer o medo e construir o futuro”

A direcção da Associação exorta os cidadãos a manifestarem-se contra a deterioração dos valores de Abril

Para Vasco Lourenço, existe “uma urgência” na mobilização contra as medidas do Governo
Foto
Para Vasco Lourenço, existe “uma urgência” na mobilização contra as medidas do Governo PÚBLICO

Os preparativos para as comemorações da Revolução dos Cravos já começaram. A pouco mais de um mês da data, a Associação 25 de Abril apela a uma “resposta popular” a nível nacional que contribua para ultrapassar a actual encruzilhada em que o país se encontra. Os responsáveis pela Associação pretendem despertar a população, estimular o trabalho conjunto e reafirmar a confiança dos cidadãos em si próprios.

“A crise que vivemos tem causas internas e externas que comprometem perigosamente o regime democrático e minam a justiça social”, lê-se em comunicado. Como resposta, a Associação incentiva “os seus associados e demais cidadãos” a organizarem-se e manifestarem-se sob a égide da iniciativa “vencer o medo, reafirmar Abril, construir o futuro”.

Tendo como primeira meta as comemorações dos 39 anos do 25 de Abril, a Associação pretende estender a “resistência ao colaboracionismo” até ao 40º aniversário da Revolução dos Cravos.

Criticando o agravamento da situação económica e social do país, que se reflecte num “empobrecimento generalizado” e num “desrespeito pela História e cultura” portuguesa, a associação condena a “brutal austeridade para 2014” e conclui que “Portugal é um protectorado”.  

No documento enviado ao PÚBLICO, a Associação 25 de Abril refere que espera um empenho conjunto dos portugueses nesta “tarefa urgente” que visa preservar a identidade e coesão nacionais e “voltar a colocar Portugal como país soberano nos areópagos [assembleia de sábios] europeu e mundial”.