Cartazes "que fazem política com o coração" para manifestação anti-troika

Cartazes virtuais inundam as redes sociais e apelam à participação no protesto deste sábado

Fotogaleria
Artigo 21º
Fotogaleria
Fotogaleria
Artigo 21º
Fotogaleria
Rise up Portugal
Fotogaleria
Artigo 21º
Fotogaleria
Fotogaleria
Artigo 21º
Fotogaleria
Cristina Sampaio
Fotogaleria
Colectivo 4.16
Fotogaleria
Marta Morais
Fotogaleria
Rui Fazenda
Fotogaleria
Colectivo 4.16

Hoje, como nos anos 70, os cidadãos mobilizam-se e saem à rua. A diferença está na forma como se organizam.

As redes sociais vieram tomar o lugar das reuniões e os cartazes passaram a ser feitos e divulgados online. Actuais, criativos e polémicos, visam apelar à participação no protesto deste sábado.

Em formato de cartoon, com imagens ou fotografias, todos eles “têm alma, fazem política com o coração”, afirma ao PÚBLICO Paula Gil, uma das organizadoras do protesto “Geração à rasca” e que se associou ao movimento “Que se Lixe a Troika”.  

Para este sábado, os organizadores esperam “uma das maiores manifestações desde o 25 de Abril”, frisa Paula Gil. O protesto, confirmado em 31 cidades de norte a sul do país, deverá estender-se também além-fronteiras. Boston, Londres e Barcelona são algumas das sete cidades internacionais que responderam ao apelo do movimento “Que se Lixe a Troika” e já confirmaram a sua participação.

“O povo é quem mais ordena” é um manifesto “contra a troika e contra o actual Governo, actores que nos fazem querer manifestar por um maior respeito pelos cidadãos e pela Constituição”, diz ao PÚBLICO Luís Bernardo, um dos organizadores do movimento “Que se Lixe a Troika”. 

Lisboa será o coração do protesto. A manifestação estará dividida em "marés" de cidadãos que se organizam em grupos específicos para confluirem depois na marcha geral. A primeira “maré”, da educação, reúne-se às 14h em frente ao ministério de Nuno Crato, juntando-se ao resto da manifestação às 16h, no Marquês de Pombal. A agenda do protesto só termina às 24h, altura em que o Movimento Cerco ao Parlamento deverá abandonar a Assembleia da República.