O impostor Baptista da Silva do futebol brasileiro

A história tem contornos semelhantes aos que atraíram as atenções para o homem que há alguns meses se fez passar por observador das Nações Unidas em Portugal.

Ricardo Souza deixa-se fotografar à frente de uma loja do Flamengo
Foto
Rodrigo Souza deixa-se fotografar à frente de uma loja do Flamengo DR

Rodrigo Souza, futebolista de 26 anos, tinha uma aparente carreira gloriosa. Jogou na selecção brasileira sub-17, que foi campeã mundial da categoria em 2003, e esteve no plantel do Vasco da Gama que venceu a Taça do Brasil em 2011. No currículo constavam ainda passagens por alguns dos melhores clubes do Brasil, como o Palmeiras ou o Grémio, tendo chegado a estar uma temporada no Feyenoord, da Holanda. A sua última equipa teria sido o Flamengo, clube que abandonou há poucos dias, segundo as suas próprias palavras. Só que tudo isto, afinal, é uma grande mentira e uma enorme invenção do protagonista.

A história vem contada nas páginas do jornal Folha de São Paulo e apresenta muitas semelhanças às que serviram para criar o caso Baptista da Silva em Portugal.

O caso começou a ser descoberto depois de jornalistas do diário Lance, informados da suposta saída do jogador do Flamengo, terem tentado perceber de quem se tratava. E após contactarem a direcção do clube carioca descobriram que Rodrigo Souza nunca tinha jogado pelo Flamengo.

António Boaventura foi quem passou a informação aos jornalistas do Lance. Em declarações à Folha de São Paulo, o assessor de imprensa explica que conheceu Souza no fim do ano de 2012 num clube obscuro chamado União dos Operários.

Segundo Boaventura, o suposto craque procurava uma assessoria de imprensa para cuidar da sua imagem. Mas quando lhe pediu uma cópia do registo na Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e do contrato com o clube, Souza entregou-lhe uma cópia de um contrato de 2008. Desconfiado da veracidade dos documentos, o assessor de imprensa decidiu tirar tudo a limpo, passando a informação aos jornalistas do Lance.

Rodrigo Souza mantém a sua história

Contactado pela Folha de São Paulo, Rodrigo Souza insistiu na sua versão. Garante que é jogador profissional de futebol, inscrito na CBF desde 2003, apesar de o seu nome não constar do registo geral de atletas da CBF, nem do Bira (Boletim Informativo de Registro de Atletas), nem da Federação de Futebol do Estado do Rio Janeiro e muito menos da FIFA, assegura o jornal.

Rodrigo Souza insistiu que já jogou por vários clubes brasileiros, embora se tenha negado a dizer quais e também não quis dar nomes de colegas de profissão que pudessem confirmar sua história. Mas prometeu provar tudo em alguns dias. "Depois do Carnaval, eu consigo correr atrás da documentação. Vou apresentar os contratos", disse ao jornal brasileiro.

"Treinei [no Flamengo], mas sem estar inscrito em competições oficiais. Foi solicitado que eu ficasse fazendo um trabalho, e eu fiquei", afirmou Souza, apesar do desmentido da assessoria de imprensa do Flamengo.

Apelidado de “jogador fantasma”

A ousadia de Rodrigo Souza foi crescendo com o tempo. Deu uma entrevista televisiva a um canal do Paraná e, recentemente, enviou para empresários fotos suas a realizar supostos treinos nas instalações do Flamengo, clube que desconhece sua passagem, na tentativa de ser agenciado por algum empresário que, depois, o tentaria colocar num clube.

Nas imagens reproduzidas pela Folha de São Paulo, o jogador aparece a treinar-se sozinho num campo destinado aos sócios do Flamengo. Ainda segundo o jornal, Rodrigo Souza terá também enviado fotos suas com a camisola do Atlético-PR, que também diz nunca ter recebido o jogador, enquanto o Tigres-RJ terá sido igualmente usado pelo jogador-fantasma, que enviou fotos no campo do clube, mas sem que apareça junto de outros atletas do Tigres-RJ.