Marcelo considera caso das facturas “uma tonteria”

Social-democrata diz que Francisco José Viegas se quis demarcar do Governo.

"É cada vez mais necessária uma remodelação no Governo", diz Marcelo Rebelo de Sousa
Foto
"É cada vez mais necessária uma remodelação no Governo", diz Marcelo Rebelo de Sousa Nuno Ferreira Santos

Marcelo Rebelo de Sousa classificou neste domingo como “uma tonteria” o comportamento do Governo no caso da obrigatoriedade dos portugueses serem obrigados a pedirem facturas, correndo o risco de ser multados caso o não façam.

No seu habitual comentário na TVI, o antigo presidente do PSD lembrou que tudo começou com um comunicado do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, que, “com excesso de zelo”, apareceu a dizer que já havia pessoas multadas por não pedirem facturas.

Depois, acrescentou Marcelo, afirmava-se que as pessoas podiam ser multadas à saída dos estabelecimentos comerciais. “Uma tonteria. Criou-se uma polémica desnecessária num assunto que era pacífico”, afirmou o também conselheiro de Estado de Cavaco Silva.

Já sobre a frase do antigo secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, que escreveu que mandaria os fiscais do fisco “tomar no cu” se o abordassem, Marcelo considera que Viegas “percebeu o estado de espírito dos portugueses” e usou uma expressão dura "intencionalmente para chocar" e para “se demarcar do Governo". 

"É a forma mais eficaz e rápida para se demarcar do Governo de onde saiu há uns meses. Isto é um problema de política."

Para o ex-líder social-democrata, Viegas vai ficar mais conhecido no futuro por ter dito aquela frase e não pelo seu trabalho profissional de escritor e editor de livros.

"Governo está a mudar subtilmente"

Comentando a atitude do Governo sobre os números do desemprego (taxa de 16,9% no final de 2012) e da recessão (3,2% em 2012), Marcelo afirmou que a equipa de Pedro Passos Coelho está a mudar de atitude mas não o quer assumir.

"O Governo está a mudar subtilmente por força dos números da economia", afirma Marcelo, exemplificando: no Parlamento, Passos Coelho "admitiu que está atento aos efeitos económicos e sociais" das políticas do Governo, nas jornadas do PSD disse ter consciência de que a corda dos sacrifícios já não pode esticar mais, e agora "surge a ideia ao de leve de que o corte de 4000 milhões de euros não pode ser feito de uma assentada", mas antes faseado.

"Tudo isto é novo em Passos Coelho. A habilidade do Governo é mudar a posição sem aceitar publicamente que está a mudar a posição. Por exemplo, não vai admitir que já quer prazos maiores, como o PS pede há muito tempo", acrescentou Marcelo. "Isto é uma grande mudança do Governo fingindo que não está a mudar", insistiu.

Sobre o facto de ser Paulo Portas o autor, com Vítor Gaspar, do documento que servirá de guião para esse corte na despesa estrutural, Marcelo considera que a estratégia do Governo é boa.

"Vítor Gaspar tem a teoria, Paulo Portas tem a experiência política e no terreno. Se o Governo tivesse um ministro da Presidência, era ele que faria [o guião]", afirmou Marcelo. Portas, na sua opinião, irá "acompanhar politicamente os cortes, para garantir que há sensatez".

No fundo, "é pedido a Paulo Portas não que faça a reforma do Estado, mas um papelinho do que se irá fazer no futuro e como se farão os cortes. Mas Marcelo não tem dúvidas de que o papel que Portas agora assume terá "o seu preço" na coligação.

Marcelo também defende que o Governo deveria tratar com mais cuidado da sua estratégia de comunicação. "O que aparecer tem que ser concertado - e isto vale o mesmo seja para o PSD ou para o CDS. Tem que ser um discurso muito certinho sobre os cortes, a dimensão económica, a evolução na Europa - em especial até  Setembro, quando há eleições na Alemanha."