Rogério de Carvalho vence o Grande Prémio da Crítica de teatro 2012

O encenador Rogério de Carvalho foi distinguido pela Associação Portuguesa de Críticos de Teatro pelas encenações que assinou em 2012. As companhias Teatro dos Aloés e Primeiros Sintomas, e o fotógrafo João Tuna foram também escolhidos pelo trabalho realizado no ano passado.

Rogério de Carvalho foi distinguido pelas encenações que fez em 2012
Foto
Rogério de Carvalho foi distinguido pelas encenações que fez em 2012 PÚBLICO

Rogério de Carvalho (Angola, 1936) é um histórico do teatro português e em 2012 assinou dois trabalhos que a Associação Portuguesa de Críticos de Teatro (APCT) considera inscreverem-se num "trajecto artístico de invulgar excelência e rigor".

Em 2012, Rogério de Carvalho assinou Devagar, para a companhia As Boas Raparigas, a partir de textos de Howard Barker. A companhia, da qual é director artístico, estreou a peça a 16 de Novembro no Teatro Carlos Alberto, no Porto. O encenador assinou ainda O Doente Imaginário, para o Ensemble, e que estreou no FITEI a 1 de Junho, também no Porto. O júri encontrou nestes dois trabalhos "uma singular intensidade no trabalho sobre a voz e sonoridades com o rigor da inscrição do corpo dos actores num espaço que um belíssimo jogo de luz e sombras transfigurava de forma audaciosa".

A APCT decidiu distinguir também dois espectáculos. Um deles Juramentos Indiscretos, do Teatro dos Aloés em co-produção com o Teatro Nacional de São João (onde estreou a 8 de Março), que o júri considerou tratar-se de "um marco importante na nossa vida teatral". Assinado por José Peixoto, encenador "de uma dedicação sem par", trata-se, no entender da APCT, de espectáculo que, a partir de um texto de Marivaux, "um autor conhecido de nome, mas longe de ser familiar do grande público", usa "uma tradução exemplar" e cria "um trabalho de actores refinado e inteligente" e "um dispositivo cenográfico totalmente adequado aos propósitos da peça e da encenação".

Ainda Salomé, da companhia Primeiros Sintomas, estreada a 17 de Maio no espaço A Ribeiro, em Lisboa. A partir do texto de Oscar Wilde, Bruno Bravo, que encenou a peça, apresentou "uma versão imaginativamente erótica e lírica da peça em ambiente espesso como nevoeiro cerrado assombrado por palavras nascidas de um desejo subversivo e belo".

Também o fotógrafo João Tuna receberá uma menção honrosa, pelo modo como "a cumplicidade  com encenadores, cenógrafos, iluminadores e actores, entre outros criadores, que vem fotografando ao longo dos anos, vai muito além da objectiva."  Em 2012, o seu trabalho foi objecto de uma monografia, editada pelo Teatro nacional São João, Todos os Fantasmas Usam Botas Pretas, Rastros: TNSJ 1996-2009. Justifica a APCT que "os espectáculos registados parecem só ter ficado completos depois da invenção de imagens deste fotógrafo, cineasta e dramaturgo, cuja visão de mundo é um teatro por si só".

O júri foi constituído por Alexandra Moreira da Silva (dramaturgista, tradutora e investigadora na Faculdade de Letras da Universidade do Porto), João Carneiro (crítico no jornal Expresso), Maria Helena Serôdio (que preside à APCT), Jorge Louraço Figueira (crítico de teatro no PÚBLICO) e Rui Monteiro (crítico de teatro na revista Time Out). A entrega dos prémios decorrerá no Jardim de Inverno do Teatro São Luiz, em data ainda a anunciar.