Seguro anuncia recandidatura contra o “regresso ao passado”

Na reunião onde se espera que António Costa avance para a liderança do PS, foi o actual líder quem se antecipou e disse "presente" na luta interna que se avizinha.

Seguro tem esperança que “esta proposta do Governo não passe no crivo do Presidente da República”
Foto
Seguro fez um discurso duro Adriano Miranda

O actual secretário-geral do PS, António José Seguro, anunciou esta noite a sua recandidatura ao cargo, na intervenção inicial da comissão política que decorre na sede do partido.

Seguro anunciou a sua intenção, segundo relatos da reunião, em nome de uma cultura que “nada tem que ver com a cultura do PSD”, invocando os princípios do respeito, solidariedade e lealdade.

Foi um discurso duro que visou aqueles que exigiram a antecipação das eleições internas, responsáveis pelo “ambiente de facção” que se vivia há muito no interior do PS. Um ambiente que o líder acusou de enfraquecer o PS num momento em que os portugueses mais precisavam do partido.

Acusou ainda os promotores da aceleração dos calendários de “hipocrisia e cinismo”. “Não admito que nenhum combate político seja condicionado por agendas pessoais, pela mera ambição pessoal e o regresso ao passado”, afirmou na reunião.