Secretário pessoal do Papa na capa da Vanity Fair porque “ser bonito não é pecado”

Nos meios de comunicação social italianos, Georg Ganswein, secretário pessoal do Papa desde 2005, é comparado ao actor George Clooney.

Foto
Tony Gentile/Reuters

Quem pensava que uma figura da Igreja não podia ser capa de uma revista mundana engana-se. Que o diga a edição italiana da revista Vanity Fair que chega às bancas esta quarta-feira com uma figura minimamente surpreendente na primeira página: Georg Ganswein, o secretário pessoal do Papa.

O sorriso e os olhos azuis de Georg Ganswein já haviam dado que falar nos meios de comunicação social italianos, que se referiam ao alemão que acompanha o Papa desde 2005 como “Gorgeous George” (George Deslumbrante, em tradução literal). Agora, foi a vez de a edição italiana da revista Vanity Fair realçar a beleza com um grande plano na capa. Ganswein, de 56 anos, aparece a sorrir, com o título: “Padre Georg – ser bonito não é pecado”.

Numa nota enviada à agência Efe, a revista diz ter realizado esta capa para comemorar a recente promoção do padre a arcebispo e a prefeito da Casa Pontifícia, no passado dia 6, e traça o perfil de “um monsenhor particular”, referindo-se a Georg Ganswein como “O George Clooney de São Pedro”, que deixou os “cabelos compridos e os Pink Floyd e [alcançou] hoje a fama de severo sacerdote que recebe cartas de amor”.

O novo posto recentemente adquirido aproxima-o mais do Papa que, aos 85 anos, apresenta uma saúde cada vez mais frágil. Ganswein irá organizar todas as audiências públicas e privadas de Bento XVI e será responsável por toda a programação diária. Segundo a Vanity Fair, “aparecerá cada vez menos, mas terá cada vez mais poder”.

Georg Ganswein nasceu em Waldshut, uma cidade no Sudoeste do estado de Baden-Württemberg, na região de Freiburg, na Alemanha, junto à fronteira com a Suíça, a 30 de Julho de 1956 e foi ordenado sacerdote em 1984. Gosta de ténis e durante a juventude foi professor de esqui.