Especialistas pedem política integrada para a alimentação

Existem projectos, existem especialistas, falta comunicação, alerta comissão organizadora do ciclo "O Futuro da Alimentação"

São necessárias "abordagens integradas" para melhor decidir na área da alimentação
Foto
São necessárias "abordagens integradas" para melhor decidir na área da alimentação PÚBLICO

Em Portugal há muita gente que trabalha em áreas ligadas directa ou indirectamente à alimentação, e, apesar de existirem projectos integrados, falta ainda uma política integrada, que cruze os contributos das diversas áreas.

Esta é a primeira conclusão de uma lista de 22 que será apresentada, esta quinta-feira, na Fundação Calouste Gulbenkian, no encerramento do ciclo "O Futuro da Alimentação – Ambiente, Saúde e Economia", uma parceria da Gulbenkian e do PÚBLICO, que teve início em Março.

A conferência, que começa às 17h30, tem entre os oradores a ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, Assunção Cristas, e é precedida por um workshop, (às 15h), em que serão apresentadas as conclusões do projecto PERDA, que estudou o desperdício alimentar em Portugal, concluindo que o país desperdiça um milhão de toneladas de alimentos por ano.

Haverá ainda intervenções de Jesus Contreras, do Observatório da Alimentação, de Barcelona, que falará sobre a Dieta Mediterrânica, e de Luísa Neto, da Faculdade de Direito da Universidade do Porto, sobre a nutrição como política pública.

“As diversas áreas e especialistas (investigação nutricional, investigação e aplicação clínica, produção agro-alimentar, ecologia, desenvolvimento económico) têm vivido em mundos separados e trabalham ainda de forma pouco integrada”, escreve nas conclusões a comissão organizadora do ciclo, presidida por José Lima Santos, do Instituto Superior de Agronomia de Lisboa, e que inclui a especialista em endocrinologia Isabel do Carmo, Pedro Graça, da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto, e a engenheira agrónoma Isabel Ribeiro.

O que estes especialistas defendem é que é altura de se introduzir “abordagens integradas de apoio à decisão política, com vista a tomar decisões melhores e mais consistentes no médio-longo prazo”. E consideram que o Programa Nacional de Promoção da Alimentação Saudável, lançado este ano e dirigido por Pedro Graça, “poderá ser um espaço de cruzamento de diferentes olhares e saberes para a definição de uma política alimentar e nutricional a médio prazo em Portugal”.