E no final da noite os aplausos ouviram-se mais do que os assobios

O Real Madrid de José Mourinho venceu (2-0) o Atlético de Madrid pela sétima vez consecutiva em jogos da Liga espanhola.

Mourinho esteve no relvado antes do jogo, mas os adeptos não o assobiaram
Foto
Mourinho esteve no relvado antes do jogo, mas os adeptos não o assobiaram Pierre-Philippe Marcou/AFP

À hora marcada, 40 minutos antes do início do derby com o Atlético de Madrid, lá estava José Mourinho no relvado do Santiago Bernabéu. Tal como prometido, o treinador português colocou-se à disposição de quem o quisesse assobiar. Fê-lo, tinha dito na véspera, “para que, durante o jogo, as pessoas apoiem a equipa”. Esteve por ali uns minutos, parado, de mãos nos bolsos, perante uma multidão de fotógrafos. Ouviu mesmo alguns assobios (de adeptos do Atlético), mas recebeu aplausos dos merengues que já se encontravam nas bancadas, contava a imprensa espanhola.

Era uma noite de tudo-ou-nada para o Real Madrid. A equipa de José Mourinho entrou em campo a saber que o Barcelona goleara (5-1) o Athletic de Bilbau – e estava obrigada a vencer os vizinhos de Madrid, sob pena de se atrasar irremediavelmente em relação aos catalães e ver fugir também o Atlético.

O início do jogo foi de encontro aos desejos de Mourinho: após uma primeira ameaça dos colchoneros (Casillas impediu o golo de Falcao), o Real Madrid chegou à vantagem. Cristiano Ronaldo bateu Courtois na transformação perfeita de um livre directo, fazendo o 13.º golo, esta época, na Liga espanhola – há oito meses que não marcava de livre.

O Atlético – que se treinara perante 21 mil adeptos na manhã deste sábado – optou por entregar a bola ao Real, espreitando o contra-ataque rápido. Mas a estratégia não levou a equipa de Diego Simeone para perto da baliza adversária. A tendência manteve-se na segunda parte, em que foram sempre os merengues a estar mais perto do golo. E confirmou-se aos 66’: Özil recebeu a bola de Cristiano Ronaldo e fez o 2-0, com um remate à meia volta.

O internacional português teve o terceiro golo nos pés em duas ocasiões (75’ e 78’), mas em ambas acertou nos ferros da baliza do Atlético. Mas a vitória não fugiu. Os colchoneros sofreram a segunda derrota na Liga e viram diminuir para cinco os pontos de avanço sobre o Real Madrid.

Sugerir correcção