PSD escolhe Fernando Seara para Lisboa e recusa Marco Almeida em Sintra

O presidente da Câmara de Sintra terá negociado com a direcção do partido contrapartidas para avançar em Lisboa.

Foto
Enric Vives-Rubio

O presidente da Câmara de Sintra, Fernando Seara, é o candidato do PSD a Lisboa e a sua candidatura será apresentada na primeira quinzena de Dezembro. "Já encontrámos um candidato, é uma figura com todas as características para ganhar Lisboa, mas não vamos divulgar o seu nome", disse ontem ao PÚBLICO o presidente da distrital social-democrata, Miguel Pinto Luz.

O deputado e líder da distrital nunca se referiu ao nome de Fernando Seara, mas o PÚBLICO sabe o que o ainda presidente da Câmara de Sintra terá negociado com o partido para assumir a candidatura a Lisboa, garantindo um caminho político alternativo, caso saia derrotado da refrega eleitoral. Dois meses depois de ter anunciado, no XX Congresso da Associação Nacional dos Municípios Portugueses, que estaria de saída da vida autárquica para regressar à universidade - "Saio com mágoas e alguma dolorosas, mas também saio enriquecido" -, Fernando Seara acaba por avançar para Lisboa.

Tal como no Porto, também a distrital lisboeta do PSD quer manter nas autárquicas do próximo ano o mesmo número de coligações com o CDS que "funcionaram bem e mostraram resultados positivos". Com Porto e Matosinhos fora de qualquer entendimento com o CDS, Virgílio Macedo, líder da distrital do Porto do PSD, diz que quer pelo menos manter coligações em Gaia, Vila do Conde, Valongo, Penafiel, Felgueiras, Gondomar e Lousada.

A sucessão de Fernando Seara em Sintra está levantar grande polémica no PSD. Marco Almeida, vice-presidente de Seara desde o primeiro mandato, diz que a sua "candidatura é irreversível". A distrital não concorda e fala mesmo de uma "candidatura à revelia dos órgãos do partido". "O PSD já tem um candidato para Sintra", afirmou Miguel Luz, sem adiantar nomes - entretanto, foi anunciado o nome de Pedro Pinto, vice-presidente do partido.

Sobre a candidatura de Marco Almeida, que será anunciada a 1 de Dezembro, no Cacém, o líder distrital adverte para as consequências dessa decisão. Indiferente a ameaças, Marco Almeida argumenta que a sua candidatura foi aprovada por unanimidade pela concelhia em Junho, respeitando, assim, os estatutos do partido. "Sinto-me muito tranquilo", afirma, revelando que todos os passos que deu no sentido de se afirmar como candidato à câmara "foram do conhecimento de Fernando Seara". De resto, anuncia que Seara estará na cerimónia onde anunciará a sua candidatura. O vice do actual presidente aguarda que "o PSD reconheça" o seu trabalho e deixa um desabafo. "Espero que isto não seja um ajuste de contas", afirma, numa alusão ao facto de nas eleições para a distrital não ter apoiado Miguel Luz. "Se o PSD quer ganhar a câmara, sabe que o melhor candidato para servir a comunidade de Sintra sou eu. Se quiser decidir no gabinete, fazendo um ajuste de contas, então a opção não passa por mim." Para ontem à noite estava marcada uma reunião da distrital e tudo apontava para que o nome de Marco Almeida fosse vetado.