Futebol

O novo Sporting foi igual ao antigo

O Sporting somou mais uma derrota
Foto
O Sporting somou mais uma derrota Foto: Reuters

O filme de terror do Sporting não acabou com a chegada de Franky Vercauteren. Aliás, conheceu um novo capítulo no jogo que marcou a estreia do treinador belga. Os “leões” foram a Setúbal perder (1-2) com o Vitória, numa exibição sem qualquer consistência. A partida acabou com o Sporting em anarquia total, com Rui Patrício a subir repetidamente à área adversária nos lances de bola parada, mas ficando à vista a impotência completa para a equipa obter outro resultado.

Franky Vercauteren afastara antes do jogo a ideia de uma “revolução” na equipa, para a sua estreia no Sporting. Mas o facto é que o treinador belga mudou meia equipa em relação à última partida dirigida por Oceano, com a Académica (0-0). Entre baixas por lesão e opções técnicas, foram cinco as alterações: Arias, Boulahrouz, Pranjic, Adrien Silva e Viola saíram do “onze”, entrando Cedric, Xandão, Izmailov, Jeffren e Labyad.

No entanto, este “novo” Sporting teve muito do antigo na fase inicial do encontro com o Vitória de Setúbal. A intranquilidade era a nota dominante, com os passes errados e as jogadas sem nexo a sucederem-se. Rigorosa a defender e à espreita de uma oportunidade para sair rapidamente em contra-ataque, a formação sadina conseguiu suster com sucesso as tímidas iniciativas da equipa de Vercauteren.

E, aos 27’, o Vitória conseguiu desferir um golpe no ânimo que o Sporting colocava na partida. Após mais um ataque “leonino” não concluído, Ney pegou na bola e galgou metros sobre metros, sem que ninguém o travasse. O brasileiro chegou à área de Rui Patrício e, após um ressalto, a bola sobrou para Pedro Santos, que rematou — a bola bateu em Rojo e traiu o guarda-redes internacional português. O Vitória estava na frente do marcador.

O golo abalou o Sporting. Vercauteren tomava notas no banco de suplentes. Mas ainda antes de poder falar com os seus jogadores, o técnico belga viu uma reacção nos “leões”. Insúa obrigou Kieszek a fazer uma grande defesa (31’), depois Wolfswinkel rematou à figura do guarda-redes polaco (40’) e Jeffren atirou ao ferro da baliza sadina (42’). No minuto seguinte, o ex-Barcelona acertou com o alvo: apareceu na cara de Kieszek e fez o empate.

Porém, ter chegado ao empate ainda antes do intervalo não galvanizou o Sporting para dar a volta ao resultado. A equipa de Vercauteren entrou mal na segunda parte, adormecida, e num erro da defesa sofreu novo golpe. Meyong recebeu a bola completamente sozinho, entrou na área e bateu Rui Patrício.Até ao final, o Vitória ainda ficaria em inferioridade numérica, devido à expulsão de Miguel Lourenço, por uma entrada violenta sobre Wolfswinkel. Mas o Sporting não foi capaz de aproveitar. À oitava jornada, os “leões” têm sete pontos.

POSITIVOPedro Santos

Grande exibição do jovem avançado português. Foi dele o golo que inaugurou o marcador, e deu muito que fazer à defesa “leonina”. Na segunda parte ficou perto do segundo, mas o remate passou a centímetros do poste.


Jeffren

Foi o melhor (ou o menos mau) do Sporting. Como toda a equipa, desceu muito de rendimento na segunda parte. Muito activo no primeiro tempo, fez o golo dos “leões” pouco depois de ter atirado ao poste.


NEGATIVOSporting

O golo antes do intervalo não tranquilizou a equipa, que fez uma segunda parte de pesadelo. O cenário é muito negro para os “leões”, que ao cabo de oito jornadas viram aumentar para 13 pontos a diferença para a liderança da classificação.


FICHA DE JOGO

V. Setúbal, 2


Sporting, 1


Jogo no Estádio do Bonfim, em Setúbal
Assistência Cerca de 6000 espectadores


V. Setúbal

Kieszek; Pedro Queirós, Miguel Lourenço, Ricardo Silva, Nélson Pedroso; Paulo Tavares, Ney Santos e Bruno Amaro; Pedro Santos (Amoreirinha, 79’), Meyong (Jorginho, 90’) e Cristiano (Miguel Pedro, 74’). Treinador José Mota.


Sporting

Rui Patrício; Cedric, Xandão, Rojo, Insúa; Rinaudo (Viola, 78’) e Schaars; Jeffrén, Labyad (Elias, 77’) e Izmailov (Betinho, 87’); Wolfswinkel. Treinador Francky Vercauteren.


Árbitro

Paulo Baptista (Portalegre).

Amarelos

Cedric (36’), Ricardo Silva (49’), Wolfswinkel (49’), Rinaudo (68'), Nélson Pedroso (71’).

Vermelho

Miguel Lourenço (75’).

Golos

1-0, por Pedro Santos, aos 28’; 1-1, por Jeffren, aos 42'; 2-1, por Meyong, aos 68'.

Noticia actualizada às 23h03

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações