Relvas de “consciência tranquila” diz que tem vida “independentemente” de títulos

Foto
Relvas diz que agiu de boa-fé Foto: Miguel Manso

O social-democrata, além de ter precisado de fazer apenas quatro das 36 cadeiras da licenciatura da Universidade Lusófona, teve também equivalência a cadeiras que não existiam. Esta é uma das informações apuradas pela auditoria da Inspecção-Geral da Educação e Ciência, que analisou os processos de 120 alunos que desde 2006 se licenciaram na Universidade Lusófona com parte dos créditos atribuídos por reconhecimento da experiência profissional.

Em declarações no Parlamento à margem das jornadas parlamentares conjuntas do PSD e do CDS-PP, Miguel Relvas referiu-se aos resultados da auditoria feita pela Inspecção-Geral da Educação à Lusófona e onde foram detectadas irregularidades na atribuição de equivalências que permitiram que 120 alunos concluíssem graus académicos. O ministro foi o aluno com mais equivalências (32 num total de 36 cadeiras) e terminou a licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais no espaço de apenas um ano. Foram-lhe até dadas equivalências a cadeiras que nem existiam em 2006/2007, ano lectivo em que esteve matriculado na Lusófona.

“O que eu posso dizer é que eu apresentei a minha candidatura, fi-lo de acordo com a lei, com as regras, fi-lo de boa-fé, como é normal. Foram-me atribuídas, de acordo com a legislação, as equivalências que foram. Cumpri”, declarou Miguel Relvas aos jornalistas. E acrescentou, sobre a possibilidade de vir a perder o grau de licenciado: “E devo, aliás, dizer que toda a minha vida foi estabelecida independentemente da base do título que foi ou não foi atribuído”.

Relvas adiantou que não leu o relatório da inspecção mas que sabe das conclusões que, aliás, relativiza: “Não li o relatório, mas pelo que sei foi feita uma mera advertência à universidade. Isso é o alerta mais baixo que se pode fazer. Importa dizer que agi de boa-fé e fiz tudo o que me pediram”.

A auditoria começou em Julho, depois de ter vindo a público que Miguel Relvas tinha completado a licenciatura no espaço de apenas um ano graças ao reconhecimento da sua experiência profissional, onde se incluía até a sua passagem por um rancho folclórico.

A Inspecção-Geral da Educação e Ciência detectou várias irregularidades e na quinta-feira o ministro da Educação, Nuno Crato, deu 60 dias à instituição para reavaliar todas as licenciaturas que concedeu com recurso a este mecanismo. Em causa está a possível declaração de nulidade destes graus académicos, incluindo a licenciatura de Miguel Relvas.

Na quinta-feira o Ministério da Educação e Ciência tinha já avançado que aplicou “uma sanção de advertência formal à Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias pelo não cumprimento das recomendações feitas em 2009 pela Inspecção Geral a respeito dos procedimentos de creditação profissional. Está ainda por concluir um terceiro relatório relativo a outras questões identificadas no decorrer da auditoria”.