Vídeo

Ai Weiwei dança "Gangnam Style" para provocar o Governo chinês

O vídeo chama-se Caonima Style, uma versão do êxito do sul-coreano PSY
Foto
O vídeo chama-se Caonima Style, uma versão do êxito do sul-coreano PSY Foto: DR

O cavalo imaginário que pôs meio mundo a dançar o "Gangnam Style" foi agora substituído por outro cavalo imaginário, carregado de simbologia contra o Governo chinês. O artista e dissidente Ai Weiwei pegou no êxito do sul-coreano PSY e transformou-o numa provocação ao regime de Pequim.

Se o original já é mais do que uma simples receita pop para invadir as pistas de dança e os tops internacionais – com uma mensagem sobre a alegada opulência e futilidade do estilo de vida dos jovens ricos de Seul –, o que dizer de uma versão feita por um dos mais emblemáticos opositores do regime de Pequim?

O vídeo, partilhado pelo próprio artista na sua conta no Twitter, tem como título "Caonima Style" – uma referência a um animal imaginário, semelhante a uma alpaca, criado em 2009 para protestar contra a censura na Web e usado para provocar o regime chinês. O nome "Caonima" (literalmente "cavalo de lama e erva") é um jogo de palavras com a expressão "cao ni ma", que numa tradução livre do mandarim para o inglês ganha a conotação de "motherfucker" (é mais forte do que o português "filho da mãe", mas não é fácil encontrar uma expressão com a mesma carga).

A primeira vez que Ai Weiwei usou o Caonima para se expressar foi em 2009, quando publicou um auto-retrato, nu, com um boneco a tapar-lhe as partes genitais. O título dessa fotografia é "Caonima a tapar o centro", que pode também ser interpretado como uma ofensa ao Comité Central do Partido Comunista Chinês.

O "Caonima Style" de Ai Weiwei inclui excertos do vídeo original (que já ultrapassou os 530 milhões de visualizações no YouTube) e imagens com o próprio artista e amigos a imitarem a coreografia do sul-coreano PSY. Ainda antes do primeiro minuto do vídeo, Ai Weiwei tira um par de algemas do bolso e agita-as no ar, numa referência aos quase três meses em que esteve detido, entre Abril e Junho de 2011.

Ai Weiwei, de 55 anos, é uma presença recorrente nas notícias devido à oposição às autoridades chinesas – a sua detenção, no ano passado, motivou protestos um pouco por todo o mundo. Após a sua libertação, o artista e activista continuou a ser vigiado e está impedido de sair do país.

Há duas semanas, em declarações ao PÚBLICO, considerou "intolerável" a atribuição do Nobel da Literatura ao seu compatriota Mo Yan, que é visto pelos dissidentes como um autor alinhado com o regime.