-mika-/Flickr
Foto
-mika-/Flickr

Licenciaturas e mestrados devem ter exames finais

Presidente do Instituto de Educação justifica a necessidade dos exames com a “muita autonomia” de que beneficiam actualmente as universidades e os institutos politécnicos

O presidente do Instituto da Educação defendeu esta quinta-feira a realização de exames no final das licenciaturas e dos mestrados, em vez das provas que vão ser feitas no final do primeiro e do segundo ciclos do ensino básico.

Leandro Almeida, professor catedrático de Psicologia da Educação na Universidade do Minho, justifica a necessidade de aferir os conhecimentos no ensino superior, devido à “muita autonomia” de que beneficiam actualmente as universidades e os institutos politécnicos. “Noutros níveis mais básicos da escolaridade, é essencialmente uma avaliação contínua que nos interessa, é aquela que é capaz de ajudar a moldar o processo de aprendizagem”, disse o especialista à agência Lusa.

De qualquer modo, acrescentou, no sistema de ensino português há espaço tanto para a avaliação final, como para a avaliação contínua, e é importante que tanto a sociedade como a família classifiquem os alunos e certifiquem as suas competências.

O director do Gabinete de Avaliação Educacional (GAVE), Hélder Diniz de Sousa, outros dos oradores, defende que a avaliação tem que ser mais do que uma nota atribuída ao aluno. “A satisfação plena quando se tem uma nota é manifestamente pouco, é muito pobre”, considerou.

Na sua opinião, “é preciso perceber o que está por trás dessa nota, o que é que ocorreu para que um aluno tenha 12, porque é que ele só tem 12, e o que falta para dar o salto em frente e ter uma classificação superior”, disse à Lusa o especialista.

Sugerir correcção