Fotogaleria
ADN Garden Design
Fotogaleria
O exterior da casa da Travessa do patrocínio, à Lapa, serviu de cenário a um filme publicitário Nuno Ferreira Santos

Arquitectura: um jardim que sobe pelas paredes

Se lhe vem à mente uma hera suja que trepa pela fachada de uma casa quando pensa em jardins verticais, esqueça. Nas paredes exteriores de uma casa da Lapa, em Lisboa, há uma obra de arquitectura paisagista

Os bairros incaracterísticos, anónimos, sem nada que os distinga, podem ter os dias contados. Pelo menos é esse o objectivo de Luís Rebelo de Andrade, Tiago Rebelo de Andrade e Manuel Cachão Tojal, os arquitectos que projectaram um jardim vertical na recuperação de um edifício devoluto na Travessa do Patrocínio, na Lapa, em Lisboa. O espaço verde que sobe pelas paredes ocupa 100 metros quadrados, preenchidos por cerca de 4500 plantas, de 25 espécies diferentes.


Para além de funcionar como uma pintura e uma escultura viva que atrai muita gente para a contemplar, o jardim garante o equilíbrio térmico do edifício, reduzindo os gastos de energia e tornando-o mais sustentável. Luís Rebelo de Andrade, responsável pela coordenação do projecto, vê nele uma solução estética e de rentabilização de espaço, mas também uma intervenção ecológica. "Hoje em dia as cidades vivem com problemas de poluição muito complicados. Isto é um upgrade", afirma.

Primeiro estranha-se...

"Quando apresentámos o projecto, chamaram-nos malucos", conta Tiago Rebelo de Andrade. "Mas nós tínhamos de marcar a nossa passagem por este mundo. Não podíamos fazer um revivalismo qualquer, mas alguma coisa inovadora, que se destaque do que há no mercado", justifica Luís Rebelo de Andrade.


João Salgueiro, director da ADN Garden Design, uma marca dedicada à construção destes jardins, explica que "a estrutura foi desenhada com base nas indicações dos arquitectos, em coordenação com eles, e demorou dois meses a ser criada".


Luís Rebelo de Andrade detalha como foi construída a estrutura. "A casa, em termos de construção, é totalmente tradicional, com betão, e depois, por fora, levou uma estrutura pendurada na fachada e solta dela. Criou-se uma fachada ventilada, o que evita problemas de humidade. Nessa construção, agarrada a um painel de PVC, são postas duas mantas. Entre elas é colocado um sistema de rega e na manta de fora são abertos uns rasgos onde são postas as plantas.

Depois o sistema trata de as alimentar com os nutrientes indicados." Esta técnica de cultivo de plantas sem terra é conhecida por hidroponia, sendo todos os ingredientes necessários à vida da planta fornecidos automaticamente através de uma solução aquosa nutriente. O material da manta utilizada na construção do jardim vertical baseia-se em fibras sintéticas e de algodão "provenientes do mercado nacional", sublinha João Salgueiro, acrescentando que ele permite "um desenvolvimento radicular sustentado".

Os arquitectos pediram especificamente plantas portuguesas, criadas em viveiros nacionais. "Sabemos que os viveiros importam muito e quando o fazem criam muitos problemas porque as plantas adaptam-se mal." Apesar de o projecto ainda estar em fase de conclusão, o jardim já parece pronto há cerca de um ano, o que confirma a durabilidade da instalação, reforçada pela opção por "plantas espontâneas que aparecem nas nossas dunas, plantas autóctones, plantas resistentes, adaptadas à exposição deste edifício."

Lê o artigo completo no PÚBLICO