Futebol

Regresso à Champions garante ao Braga encaixe de 10,7 milhões de euros

José Peseiro, treinador do Braga
Foto
José Peseiro, treinador do Braga Foto: Patrícia de Melo Moreira/AFP

Dois anos depois de afastar o Sevilha, o Sp. Braga volta a disputar o "play-off" de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões. Os bracarenses recebem esta noite a Udinese (19h45, TVI), adversário que José Peseiro, treinador dos minhotos, pretende derrotar com "paciência, rigor e muita ponderação". Se ultrapassar os italianos, a equipa portuguesa garante automaticamente um prémio de 10,7 milhões de euros.

Desportivamente, se o Sp. Braga conseguir vencer a eliminatória, o futebol português alcançará um feito inédito: apurar três equipas para a fase de grupos da Liga dos Campeões. No entanto, para António Salvador, presidente dos bracarenses, as preocupações são outras.

Nesta época, os minhotos apresentam um orçamento recorde, superior a 15 milhões de euros, e derrotar a Udinese significaria um encaixe financeiro que, praticamente, resolveria todos os problemas de tesouraria do Sp. Braga.

Só pela presença no "play-off", os "arsenalistas" têm direito a receber da UEFA 2,1 milhões de euros, valor praticamente idêntico ao que arrecadaram na última época na Liga Europa, em que atingiram os 16-avos-de-final.

E uma vitória na eliminatória contra a Udinese faria a receita aumentar significativamente: as equipas que nesta época marcarem presença na fase de grupos da Champions recebem 8,6 milhões de euros.

Esse valor, somado ao prémio da presença no "play-off", dá um total de 10,7 milhões. Mesmo sem receitas extraordinárias (vendas de jogadores), Salvador teria a garantia que mais de dois terços do orçamento estaria pago.

A presença na Liga dos Campeões já era um enorme incentivo financeiro e neste ano ainda mais, porque a UEFA aumentou os prémios.

Cada vitória na fase de grupos valerá um milhão de euros (na época passada eram 800 mil euros) e cada empate renderá 500 mil euros.

O apuramento para os oitavos-de-final subiu de 3 para 3,5 milhões de euros, enquanto a presença nos quartos-de-final vale agora 3,9 milhões de euros. Os quatro semifinalistas da Liga dos Campeões recebem um prémio de 4,9 milhões, enquanto o finalista vencido encaixa 6,5M e o vencedor 10,5M.

Ao todo, e sem contar com a verba relativa ao "market pool" (direitos televisivos), uma equipa pode encaixar no máximo 37,4 milhões de euros na Liga dos Campeões.

Sugerir correcção