Fotogaleria
Fotogaleria
Maria Galhardo

Os colares de Maria Galhardo estão à venda, não estavam?

Maria tem 27 anos e é responsável por alguns dos colares mais desejados do Facebook

Nunca mostra o próprio rosto e trata as clientes por “gorgeous”. A procura dos já famosos colares de Maria Galhardo, de 27 anos, parece não ter fim. Passa-se tudo na sua página do Facebook, mas conseguir uma peça é praticamente um golpe de sorte… e de rapidez.

A primeira vez que publicou uma série de colares esgotaram em 30 minutos. Actualmente esgotam no mesmo segundo em que surge a fotografia, ainda que o preço médio de cada um possa não ser o mais convidativo a todos os bolsos: cerca de 50 euros.

O sistema de venda também é pouco comum. Regra geral são feitas duas publicações por semana. Maria avisa as “gorgeous” de manhã, imagine-se, que nessa tarde terá novidades e marca uma hora. A primeira pessoa a comentar a fotografia de um determinado colar é aquela que, à partida, ficará com ele.

PÚBLICO -
Foto

“Peças histéricas” feitas à mão

Tudo começou em Abril de 2012. Até ao momento, a jovem lisboeta já vendeu 200 colares – aliás, para celebrar o feito, esta semana Maria propôs um desafio às suas seguidoras. A intensa procura, explica, talvez se deva ao facto de apostar em peças únicas e numa produção em pequena escala.

Nas suas criações, Maria opta, quase sempre, por usar materiais como atacadores, franjas, fitas, brilhantes, rendas ou lantejoulas, já que diz ser adepta de “peças histéricas em ‘looks’ sóbrios”.

Abrir uma loja ou atelier não é, ainda, uma opção e também não faz parte dos seus planos implementar uma outra forma de venda como, por exemplo, o leilão: “Seria um pretensiosismo da minha parte e eu não me sinto, nem de perto nem de longe, nesse patamar”, afirma Maria ao P3.

Encomendas também não, obrigada. Repetir uma peça “no sentido do ‘quero igual mas verde e encarnado’ não ia funcionar”, refere, pelo que, pelo menos a curto prazo, a ideia é manter tudo exactamente como está e continuar a deleitar, todas as semanas, as apreciadoras do seu trabalho.