Foto

Design: os livros da Anita também se usam

A Portuguesa é uma marca de acessórios que dá uso às histórias da Anita, aos azulejos barrocos e aos lenços típicos de Viana de Castelo. Vânia Natércia é a criadora

Os livros da Anita voltaram. Pelo menos, para Vânia Natércia, uma arquitecta portuguesa que se dedicou ao design de bonecos de pano e de malas originais. Tem 30 anos, licenciou-se em Arquitectura, mas quase no final do curso percebeu que gostaria de fazer algo diferente. Criou a marca Portuguesa, há dois meses, e desde aí não tem parado.

E os livros da Anita? Estes são estampados nas malas da Portuguesa. Juntam-se a uma colecção da qual fazem parte as malas com azulejos barrocos e os lenços de Viana do Castelo. E porquê estes artigos? "Queria desenvolver uma colecção com imagens relativamente à identidade portuguesa", explica.

O seu atelier está em São João da Madeira, cidade onde vive. Vânia Natércia é perfeccionista, mas sem se desligar da originalidade. "Gosto realmente do que faço, estou bastante feliz com o percurso que tenho vindo a desenvolver", explica. E se tivesse que voltar à arquitectura? "Não está fora de hipótese, até porque sinto que continuo a crescer no que toca a esse área". Olha o mundo de maneira diferente, tem noções de estética, equilíbrio e harmonia, graças à sua formação académica.

PÚBLICO -
Foto

"É importante valorizarmos o que é nosso"

PÚBLICO -
Foto

No entanto, já vêm de longe, as aventuras de Vânia Natércia no mundo das malas e dos projectos artesanais. Em 2006, criou a História de Panos, uma marca em que produzia acessórios, malas e bonecos de pano. "Tenho um especial afecto pela colecção de bonecos, porque foi aí que tudo começou", lembra. Mas logo percebeu que as malas da Portuguesa são o produto que lhe dão maior visibilidade.

Actualmente, sem esquecer o História de Panos, a Portuguesa ocupa o tempo de Vânia Natércia. O nome - Portuguesa - "pretende ser um elogio à cultura portuguesa", observa. Fala dos seus produtos de uma forma apaixonada, uma vez que considera "importante valorizarmos aquilo que é nosso, que faz parte de nós, aquilo que produzimos e que temos para oferecer".

A sua inspiração vem de uma perspectiva pessoal "de procurar no passado uma oportunidade para o presente", argumenta. Algo que na Portuguesa está bem definido, porque para Vânia Natércia" as peças inspiram identidades, comunicam sensações, contam histórias e são alegres".

Os produtos Portuguesa são comercializados on-line, mas também nas lojas Águas Furtadas e Fragolini - no Porto, e na Amélie Théâtre, em Lisboa. O preço das malas varia entre 40 e 65 euros.

Sugerir correcção