Timor-Leste

Xanana Gusmão diz que o povo está satisfeito e não podia exigir mais

Xanana Gusmão disse que o país soube consolidar o desenvolvimento democrático
Fotogaleria
Xanana Gusmão disse que o país soube consolidar o desenvolvimento democrático Miguel Madeira
Museu da Resistência
Fotogaleria
Museu da Resistência Miguel Madeira
Cerimónias no Museu da Resistência
Fotogaleria
Cerimónias no Museu da Resistência Miguel Madeira
Visita ao Museu da Resistência do Presidente português e da mulher e do ministro Paulo Portas
Fotogaleria
Visita ao Museu da Resistência do Presidente português e da mulher e do ministro Paulo Portas Miguel Madeira
Taur Matan Ruak e  Cavaco Silva
Fotogaleria
Taur Matan Ruak e Cavaco Silva Miguel Madeira
Taur Matan Ruak nas cerimónias do Museu da Resistência
Fotogaleria
Taur Matan Ruak nas cerimónias do Museu da Resistência Miguel Madeira

Xanana Gusmão, primeiro-ministro de Timor-Leste e líder histórico da resistência, assegurou neste domingo que “o povo está satisfeito e não pode exigir mais”.

No dia em que se celebram os dez anos da restauração da independência, Xanana Gusmão afirmou que o país atravessou “dez anos difíceis de construção democrática”, manifestando-se satisfeito por o país ter sabido “corrigir os erros” e “consolidar as instituições e o desenvolvimento democrático”.

“Viram a calma e sossego na festa de ontem? Foi uma festa lindíssima com toda a comunidade, a juventude, a festejar com grande alegria”, afirmou aos jornalistas o primeiro-ministro timorense à margem da inauguração do edifício sede do Arquivo & Museu da Resistência Timorense.

Para os próximos dez anos, Xanana Gusmão diz que as prioridades do país vão para o “reforço das instituições do Estado, criação de emprego, desenvolvimento da agricultura, saúde e educação”.

Visão muito diferente tem Mari Alkatiri, secretário-geral da Fretilin e antigo primeiro-ministro. “O povo não está satisfeito, continua marginalizado e a pobreza cresce”, afirmou.

Alkatiri afirma mesmo que a pobreza tem crescido: “No passado dizia-se que 80 cêntimos [de dólar] por dia chegavam para tirar as pessoas da pobreza extrema. Hoje não chegam dois dólares”.

A corrupção é apontada pelo líder da Fretilin como um dos problemas mais graves. “A corrupção grassa pelo país. Todos os dias se vê pessoas que tinham pouco e agora têm carros e casas de luxo. A corrupção em Timor tem uma característica especial: é feita às claras, toda a gente sabe, é feita às claras é transparente”.

Um museu para a memória de um povo

Xanana e Alkatiri participaram na inauguração do edifício sede do Arquivo & Museu da Resistência Timorense, um dos primeiros actos público do novo Presidente Taur Matan Ruak e que contou ainda com a presença de Cavaco Silva.

O Arquivo & Museu da Resistência Timorense foi inaugurado em 2005 com a missão de preservar, dignificar e divulgar a memória da luta do povo de Timor-Leste pela sua independência. Actualmente possui um espólio de cerca de 100 mil documentos traçando o percurso cronológico da história da luta pela independência, desde o 25 de Abril de 1974 até 20 de Maio de 2002.

“Este é um depósito seguro para preservar a nossa memória. Um espaço para as crianças aprenderam melhor o legado das nossas gerações”, afirmou o Presidente timorense.

Antes, Taur Matan Ruak e a Cavaco Silva já tinham estado juntos durante a cerimónia de içar da bandeira que decorreu no Palácio da Presidência. Uma cerimónia em que o Chefe de Estado timorense revelou que não fará nenhuma visita de estado ao estrangeiro até Maio do próximo ano, salientando que os desafios que o país enfrenta exigem o “acompanhamento e dedicação exclusiva” no primeiro ano de mandato.

Taur Matan Ruak lembrou ainda a retirada das forças internacionais no final deste ano, afirmando estar convicto que a comunidade internacional manterá em Timor uma pequena missão da ONU.

As reportagens em Timor-Leste são financiadas no âmbito do projecto Público Mais.