FC Porto

Pinto da Costa: “Tive processos, tive escutas, mas não tive nenhuma pena”

Pinto da Costa garante que se não tivesse escutas “ficava ofendido"
Foto
Pinto da Costa garante que se não tivesse escutas “ficava ofendido" Foto: Paulo Pimenta

O presidente do FC Porto diz que apenas terá a certeza que os portistas serão campeões nacionais quando “o árbitro apitar para o fim do último jogo que matematicamente” garanta o título aos “azuis e brancos”.

“O futebol é fértil em surpresas”, por isso Pinto da Costa ainda não dá como garantida a conquista de novo campeonato pelo FC Porto. Em entrevista ao Jornal de Notícias, o líder dos portistas afirma que “nada pode ser garantido” e que não se esquece da forma como perdeu o “único jogo”. Porém, salienta que a sua equipa apenas depende de si própria.

Num balanço dos 30 anos de presidência dos “dragões”, Pinto da Costa lembrou “um homem” com quem “aprendeu muito” e era um “amigo íntimo”: José Maria Pedroto. No entanto, o dirigente diz que nenhum treinador “superou as expectativas” e refere “o único caso “ que ficou “aquém daquilo que esperava foi o Quinito”.

Em relação a jogadores, Pinto da Costa destacou dois avançados. Sobre o polaco Mielcarski afirma que chegou a pensar que “estava ali um novo Van Basten” e considera o fracasso do jogador a principal “desilusão”. Jardel, que “não foi para o Benfica por uma diferença de 60 contos”, excedeu as “expectativas”.

O presidente “azul e branco”, que este ano adiou uma semana de férias no Brasil após o empate do FC Porto em Paços de Ferreira porque “as coisas tremeram” e “os abutres levantaram voo”, falou ainda sobre as escutas no caso “Apito Dourado”.

Pinto da Costa garante que se não tivesse escutas “ficava ofendido” e lembrou que teve “processos” e “julgamentos” e, em todos, foi “absolvido”. “Fui condenado muitas vezes, mas por jornais. Portanto, digo que tive processos, tive escutas, mas não tive nenhuma pena”, atirou.