Liga

Lorenzo Melgarejo foi o melhor jogador do Benfica nesta jornada

O FC Porto não aproveitou o empate do Benfica
Foto
O FC Porto não aproveitou o empate do Benfica Foto: Fernando Veludo/nFactos

Numa jornada em que o Benfica ficou em branco, Melgarejo veio em salvamento dos “encarnados” e foi fundamental para reduzir os danos do empate em Olhão. O FC Porto não conseguiu fazer melhor do que o rival. Deixou dois pontos em Paços de Ferreira (1-1), não conseguiu separar-se mais dos “encarnados” e ainda pode ver o Sporting de Braga roubar-lhe nesta segunda-feira a liderança na Liga. O paraguaio, que está emprestado ao Paços de Ferreira pelo Benfica, empatou o jogo a 11 minutos do tempo regulamentar, já depois de os “dragões” se terem adiantado graças a um autogolo de Ricardo.

Até ao momento de rematar à baliza, o FC Porto fez quase sempre uma boa exibição, mas o Paços de Ferreira, que continua a fazer um percurso ascendente com Henrique Calisto e conquistou 16 pontos nos últimos nove jogos, também teve os seus méritos e foi sempre uma equipa incómoda.

Aliás, essa é a tradição, nomeadamente na Mata Real. Apesar de ter perdido 23 dos 30 jogos oficiais com o FC Porto, pode argumentar-se que a filial número 35 do clube tem sido um opositor difícil em certos momentos. Em 1993-94, o FC Porto cedeu um nulo nas Antas numa época em que ficou a dois pontos do campeão Benfica. Em 2000-01, quando perdeu o título por um ponto para o Boavista, perdeu como visitante (1-0). Em 2006-07 foi campeão, mas empatou na penúltima jornada na Mata Real e complicou o cenário para a última jornada. E dois empates em 2010-11 ajudaram-no a ficar sem Liga dos Campeões.

Cedo se percebeu que a tarefa do campeão, que tem mais um ponto do que o Benfica e mais dois do que o Sp. Braga (que joga hoje), seria complicada. Michel e Melgarejo foram os jogadores do Paços de Ferreira, que pediu um penálti num lance entre Sapunaru e Luisinho, que mais trabalho deram à defesa “azul e branca”.

No entanto, desta vez, ninguém desequilibrou mais do que Hulk e por isso as melhores oportunidades pertenceram aos visitantes. As jogadas do brasileiro, mais a boa visão de Moutinho, Lucho e James, foram, contudo, desperdiçadas pela falta de eficácia em frente à baliza, umas vezes por culpa de Cássio, outras por erros no remate, como sucedeu com Janko, aos 21 minutos.

Tanto assim foi que a equipa de Vítor Pereira só chegou ao golo com um autogolo do central pacense, depois de nova arrancada de Hulk. O FC Porto, que antes já tinha trocado Defour por Fernando, tentou controlar mais, mas continuou a ter as oportunidades. Hulk podia ter feito o 0-2 em duas ocasiões, mas falhou – no primeiro desses lances, reclamou um penálti.

Os portistas pagaram caro o desperdício quando Melgarejo se elevou sozinho na área após um canto e apontou o seu nono golo na Liga pelos “castores”. E o primeiro a favor do Benfica.

Notícia actualizada às 23h00