Sinais de Fumo em Montemor-o-Novo

Foto
Eduardo Lourenço

É uma iniciativa que parte da constatação de que "Portugal tem um problema endémico: a falta de reflexão e a consequente falta de soluções". O Espaço do Tempo, do coreógrafo Rui Horta, e o jornalista Carlos Vaz Marques acreditam que 2012 pode ser o ano certo para reflectir, e por isso decidiram organizar mensalmente um debate sobre um tema actual. O primeiro debate do ciclo "Sinais de Fumo - Conversas para além da crise" acontece já hoje, a partir das 11h, no Espaço do Tempo (que fica no Convento da Saudação, em Montemor-o-Novo) e tem como convidados Eduardo Lourenço, Pedro Mexia e Dulce Maria Cardoso, que conversarão sobre Ética e Valores.

Março será o mês para pensar sobre "Economia - Algures entre o senso comum e a ciência (pouco) exacta", com Augusto Mateus e Henrique Neto; em Abril chegam a Ciência e as novas gerações de investigadores, com João Magueijo, João Sentieiro e Ana Delicado; Maio servirá para discutir a Cidadania e a sociedade civil com Irene Flunser Pimentel, João Brites e António Costa Pinto; Junho será a vez da Cultura com Delfim Sardo, Rui Vieira Nery e Tiago Rodrigues.

Em Julho, a proposta é para pensar o Território, a agricultura e a sustentabilidade com João Ferrão, José Manuel Lima Santos e Teresa Avelar; em Setembro, mês do início das aulas, o tema é a Educação, com David Justino, Gabriel Mithá Ribeiro e Paulo Guinote; em Outubro, com a rentrée, debate-se a Política, com António Barreto, Pedro Lomba e Rui Tavares; em Novembro, a Sociedade de Informação, com António Câmara, José Bragança de Miranda e Carlos Martins; e por fim, em Dezembro, os Sinais de Fumo encerram com uma reflexão sobre Indivíduo e Alteridade, para a qual estão convidados José Tolentino de Mendonça, Vasco Santos e Ana Duarte Silva.

Dizem os organizadores no texto de apresentação da iniciativa: "Sabemos que não há fumo sem fogo e é altura de voltar a perguntar, com Sá de Miranda, ‘que farei quando tudo arde?' É tempo de lançarmos Sinais de Fumo dizendo ao futuro que estamos aqui, vivos, e dispostos a reinventá-lo."