Perfil

Sá Pinto: O irascível chega a treinador depois de ter sido jogador, dirigente e adjunto

Sá Pinto já desempenhou várias funções em Alvalade
Foto
Sá Pinto já desempenhou várias funções em Alvalade Foto: Nuno Ferreira Santos

Na estreia pela selecção, a 7 de Setembro de 1994 na Irlanda do Norte, Ricardo Sá Pinto acabou substituído por Domingos Paciência, aos 80 minutos. Passados quase 18 anos desse momento em Belfast, os papéis inverteram-se e é Domingos a ceder agora o lugar a Sá Pinto.

A chegada do ex-jogador sportinguista à liderança técnica da equipa principal do Sporting é o culminar de um percurso sinuoso, com altos e baixos numa carreira turbulenta, mas que granjeou sempre grande empatia nos adeptos de Alvalade.

Aos 39 anos, Sá Pinto deixa o cargo de treinador dos juniores dos "leões" para subir aos seniores, seguindo as pisadas de Paulo Bento - uma (arriscada) solução interna encontrada por Dias da Cunha em 2005 e agora seguida por Godinho Lopes. Com uma diferença. Se ambos foram jogadores da casa (campeões em 2001-02) e treinaram os juniores, Bento fez época e meia e conquistou o título da categoria, enquanto Sá Pinto se iniciou só esta época (fez 22 jogos no campeonato mais sete na Next Gen Series).

O capital do agora técnico principal dos "leões" vem dos tempos de jogador. Deixou saudades nas épocas que passou pelo Sporting (em 1994-97 e 2000-06), mas é alguém que não se tem dado bem em cargos de liderança.

Quando envergou a braçadeira de capitão, ficou conhecido o caso com Liedson, impedindo o brasileiro de marcar um penálti (contra o Rio Ave, em 2005). Quando foi director desportivo dos "leões", as coisas também não correram bem. Deixou o cargo e o clube em Janeiro de 2010, após uma violenta discussão (outra) com Liedson: o avançado defendeu Rui Patrício, mas Sá Pinto mostrou-se muito crítico com o guarda-redes após uma exibição menos conseguida com o Mafra.

Uma atitude explosiva que também demonstrou ter nos tempos que passou na selecção. Em Abril de 1997, foi até ao Jamor questionar e agredir o então seleccionador Artur Jorge por não ter sido convocado para um jogo com a Irlanda do Norte. A federação castigou-o com um ano de suspensão e a FIFA alargou a sanção, impedindo-o de jogar na Real Sociedad, que o contratara.

É este Sá Pinto, irascível, cuja experiência como técnico foi a de ter sido adjunto de Pedro Caixinha no Leiria, que chega ao banco leonino. Para liderar uma equipa que parece à deriva.