Director quer levar crianças ao teatro

João Mota quer criar um centro de dramaturgia no Nacional D. Maria II

João Mota, director artístico do Dona Maria
Foto
João Mota, director artístico do Dona Maria DR

O director artístico do Teatro Nacional D. Maria II (TNDM), João Mota, quer criar um centro de dramaturgia, que defendeu como essencial para a criação de uma identidade teatral.

“Um país tem de ter essa identidade”, argumentou Mota que acrescentou, “sem autores não há dramaturgia, e sem criar uma dramaturgia, o teatro não vai longe”.

“Gosto dos clássicos e da dramaturgia contemporânea, mas defendo um olhar nosso. Um país tem de ter essa identidade e ter os seus autores e acarinhá-los”, afirmou.

“O centro [de dramaturgia] vai criar os seus textos e, com os atores, os autores irão ver como é o palco, para corrigirem, pois não sendo assim, é escrita dramática mas não dramaturgia”, argumentou.

Nesta óptica, João Mota citou a peça “Onde estavas quando criei o mundo?”, de Artur Ribeiro, que vai encenar e se estreará a 12 de Abril na sala estúdio, com Manuela Couto.

Questionado se o anunciado Prémio Amélia Rey-Colaço para novos textos ia ser entregue ainda este ano, o director do TNDM disse que “não estava devidamente aprofundado”, acrescentado que não será entregue em 2012, sem adiantar mais datas.

Outro desejo de João Mota é “levar o teatro a crianças que nunca foram ao teatro”. Por isso pretende “encontrar mecenas para realizar digressões, não a Coimbra ou ao Porto, mas às terras onde as crianças nunca viram teatro”.

“Se há crianças que nunca viram o mar, também há as que nunca foram ao teatro, e é a essas que quero chegar”, disse.

O encenador não tem ainda “dados concretos”, mas reconhece a “necessidade de o fazer” e sente esse desejo, não escamoteando que “as digressões têm custos elevados e que é necessário encontrar um mecenas, até a nível local”.

Neste sentido referiu que “actual crise criou medo em investir, por parte de quem o pode fazer”, e que este factor “dificultará”.

Até 2014, João Mota conta levar à sala principal do D. Maria II, pelo menos uma vez por ano, uma peça de uma autor português.

Para a próxima temporada tem agendado o regresso de Diogo Infante, seu antecessor no cargo, na peça “Cyrano de Bergerac”, de Edmond Rostand, traduzida pelo poeta Nuno Júdice.

“Já falei com o Diogo [Infante] que aceitou. A peça será encenada por mim, mas leva 40 pessoas, o que encarece, mas tem de se arranjar mecenas, e conto fazê-la na próxima temporada”, afirmou.

A peça chegou a estar programada para a actual, que foi redesenhada em Janeiro por João Mota que a justificou pelo “momento de crise”, na qual “somos permanentemente assolados pelo dilema de como a vencer”.