“Relíquia Macabra” (“The Maltese Falcon”), de John Huston

Tudo somado, um clássico feito do material com que os sonhos eram feitos, mas já não...

Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

“Relíquia Macabra” (“The Maltese Falcon”), de John Huston (1941) Clássico entre os clássicos policiais negros, mais clássico ainda do que “Pagos a Dobrar”, que foi feito três anos mais tarde, é este “Relíquia Macabra”, realizado por John Huston com argumento seu, escrito a partir do também clássico romance policial “The Maltese Falcon”, de um dos mais clássicos escritores do género, Dashiell Hamett.

Sam Spade, o detective que Hammett criou (assim como Nick e Nora Charles, da série de livros e longas-metragens “The Thin Man”), teve em Philip Marlowe, criação de Raymond Chandler (co-argumentista de “Pagos a Dobrar”), o seu rival mais competente (a comparação mais acertada seria entre os dois escritores) e Humphrey Bogart interpretou ambos. O que nos dá o pretexto de o vermos brevemente a encarnar Marlowe.

Mas voltemos a “Relíquia Macabra”, muito interessante a vários títulos, incluindo o de mostrar um Humphrey Bogart para além de “Casablanca” (neste caso, um ano antes), título a que o actor ficaria para sempre associado, mas ao qual nunca deveria ser reduzido, tal como o não deveria ser em relação ao detective Philip Marlowe.

Mas o primeiro motivo de interesse é o ser um filme negro de John Huston. É nesse ambiente que todas as outras peças encaixam: argumento, personagens, actores. Comparativamente, pode dizer-se que o argumento nem sequer é muito importante, já que o não ser capaz de o compreender completamente (como acontece, por exemplo, aquando de longas explicações sobre o que se passou que não vimos) não impede a fruição dos fascínios que aquele ambiente contém: um detective que sabe sair de situações difíceis, mesmo que incompreensíveis para o próprio, um jogo de gatos e ratos com repentinas trocas de papéis, uma busca por um objecto misterioso tão poderoso que faz todos serem tal como são, o famoso objecto “feito do material de que os sonhos são feitos”.

Foto
Vemos Humphrey Bogart para além de “Casablanca”

Vejamos “Key Largo” ou “The Asphalt Jungle”, do mesmo realizador, para percebermos o alcance do conceito de “ambiente” a que nos referimos aqui e para confirmarmos o outro grande elemento de sucesso: a caracterização das personagens e a consequente escolha dos actores que os figuram.

Harmonizando-se com Bogart no interminável desfile de voltas e reviravoltas, temos Peter Lorre, de cabelo frisado, guarda-chuva de cabo em ângulo recto, cartões-de-visita perfumados, falinhas mansas e pistola de mulher (o que, para 1941, não deve suscitar dúvidas quanto ao que se queria representar), no papel de Joel Cairo (a que Jon Anderson e Vangelis prestaram homenagem em 1981, lançando o álbum “The Friens of Mr. Cairo); Sidney Greenstreet, tão cavalheiresco como perigoso, astuto, formal no vestuário (polainas, casaca, roupão de lapelas de seda) e no discurso, mas franco admirador do carácter imprevisível do seu adversário Sam Spade, que muito o diverte (“By Gad, sir, you’re a chap worth knowing. An amazing character!”, no papel de Kasper Gutman; Mary Astor, num papel tão contrário ao que vimos desempenhar em “Dodsworth” que se torna numa prova eloquente da arte de se transfigurar: ali, como Mrs. Edith Cortright, convidativa e salvadora; aqui, como Brigid O’Shaughnessy, falsa e traiçoeira. Tudo somado, um clássico feito do material com que os sonhos eram feitos, mas já não...