Fotogaleria
As mulheres sauditas vivem sob um conjunto de regras apertadas
Fotogaleria
As mulheres sauditas vivem sob um conjunto de regras apertadas

Mulheres já podem vender lingerie na Arábia Saudita

As mulheres podem vender lingerie e já não são obrigadas a discutir o seu tamanho de roupa interior com os vendedores

A partir de hoje acaba o que era uma situação bizarra na ultraconservadora Arábia Saudita: as mulheres podem vender lingerie e já não são obrigadas a discutir o seu tamanho de roupa interior com os vendedores.

A medida foi promulgada em Junho por decreto real e acaba com o que era um problema para muitas mulheres sauditas: apesar de vestidas com roupas largas da cabeça aos pés, tinham de explicar aos vendedores, a maioria deles asiáticos, o que pretendiam.

Muitas contam que acabavam por sair da loja com a compra errada. “Acabou a vergonha!”; congratulava-se na sua página da Internet Fatima Qarub, que tinha lançado uma campanha pedindo que os empregos nas lojas de lingerie fossem entregues a mulheres. “Foi uma decisão corajosa. Como muitas mulheres, tinha vergonha de comprar roupa interior a um homem que me punha questões sobre as minhas medidas”, comentou Samar Mohammed, 37 anos, à AFP. 

“Já não era sem tempo”, comentou a jornalista Samar Fatany à emissora britânica BBC, contando que ela e as mulheres que tivessem essa possibilidade preferiam comprar a sua roupa interior no estrangeiro, para não terem de dizer o seu tamanho a um homem.

A campanha pode dar hipótese às jovens mulheres que cada vez mais estão desejosas de trabalhar. A maioria das sauditas que o podem fazer são normalmente de elites e trabalham em medicina ou no Governo, diz a BBC. A nova lei pode criar até 40 mil empregos para as outras mulheres, que não têm acesso a rendimento ou educação. No reino ultraconservador, a separação dos sexos é estritamente imposta e as mulheres têm de ter um acompanhante (geralmente um familiar) quando saem de casa.

A decisão real foi tomada apesar da oposição das autoridades religiosas sauditas: o mufti da Arábia Saudita, xeque Abel Aziz Al-Sheikh, lembrou que coloca as vendedoras “em contacto directo” com os gerentes das lojas, e que neste emprego as mulheres podem “contar dinheiro”, algo que “é contrário à religião”.

Uma decisão anterior para permitir às sauditas trabalhar nestas lojas, tomada há três anos, foi bloqueada pelos religiosos conservadores que se opõem a que as mulheres trabalhem em vários actividades para impedir que se misturem. As mulheres sauditas têm vindo também a tentar desafiar a proibição de conduzir.