“Tar” – Teatro Universitário do Porto e INFLAMA

A condição amadora dos grupos de teatro que produzem o espectáculo transparece em alguns momentos. No entanto, parecem conseguir fazer das fraquezas força

Cartaz da peça Tar
Fotogaleria
Cartaz da peça Tar
DR
Fotogaleria
DR
Cartaz da peça Tar
Fotogaleria
Cartaz da peça Tar
DR
Fotogaleria
DR

Diminuindo um dos défices culturais da cidade do Porto, como é a relativamente escassa oferta de teatro, “Tar” apresenta-se como uma produção conjunta do TUP (Teatro Universitário do Porto) e da cooperativa cultural INFLAMA, baseada na peça “Fando e Lis”, de Fernando Arrabal. Baseada porque, como diz o panfleto de introdução, são atiradas mais umas quantas “achas na fogueira”.

Resumidamente, “Fando e Lis” acompanha o percurso do casal de personagens que dá título à peça na sua busca por Tar, lugar mítico. A relação de Fando e Lis (paralítica) vive num jogo permanente entre amor e abuso, por vezes explicitamente marcada por imagens de grande violência. De resto, o autor espanhol é o “pai” do “teatro pânico”, sempre influenciado pelo teatro do absurdo (aqui visível no beckettiano trio de personagens Toso, Namur e Mitaro).

Quanto às tais “achas na fogueira”, essas traduzem-se em cenas que surgem como momentos que intercalam os actos da peça de Arrabal. Por isso, enquanto o texto de base economiza no número de personagens (cinco), “Tar” expande o leque (contam-se quinze). Tal soma justifica-se com esses mais curtos momentos, quadros que funcionam como alucinações de Lis e sempre despertados pela música que sai da sua grafonola.

A presença do pânico e do absurdo é ostensiva na tensão entre o humor (particularmente com o trio de personagens e com alguns momentos do próprio Fando) e a brutalidade (para a qual o espectador é advertido no início e especialmente forte nos episódios psicóticos de Lis), sendo fundamentalmente desse choque que vive o espectáculo. Essa severidade, por motivos circunstanciais, é nesta apresentação aumentada. Convém não esquecer que se trata de teatro amador. O espaço é desconfortável, sim (os mais atrasados provavelmente ficarão sentados em troncos dispostos no chão para esse efeito), mas a verdade é que o desconforto do local acaba por acentuar a experiência de incómodo que a peça pretende transmitir.

A condição amadora dos grupos de teatro que produzem o espectáculo seguramente transparece em alguns momentos. No entanto, numa peça com estas características, parecem conseguir fazer das fraquezas força, particularmente no despojamento do cenário e da caracterização ou na sobriedade dos figurinos, parecendo ainda acertada a escolha dos actores no desempenho de determinados papéis. “Tar” estará em cena nas instalações do TUP todos os dias até 18 de Dezembro.