Fotogaleria
Livro custa 16,85€ no site da Leya DR
Fotogaleria
Saramago escreveu Claraboia aos 31 anos, mas nunca revelou o livro Enric Vives-Rubio/Arquivo

José Saramago inédito em formato digital

"Clarabóia", livro inédito de Saramago, chega às livrarias dia 17 de Outubro. Mas já está disponível em formato digital

“Claraboia”, o romance que José Saramago escreveu na juventude e guardou até ao fim da vida, está disponível em formato e-book a partir de hoje, duas semanas antes da versão em papel, anunciou a Leya.

Em declarações à Lusa, o director de marketing daquele grupo editorial, Pedro Sobral, explicou que o objectivo de colocar já à disposição dos leitores a versão digital de “Claraboia”, antes de 17 de Outubro - dia em que o livro “físico” chega às livrarias numa edição da Caminho -, é permitir aos leitores o acesso ao livro de Saramago o mais cedo possível.

“Acima de tudo, o grande objetivo é a promoção da obra e a visibilidade deste novo título de José Saramago”, sublinhou o responsável pelos e-books do grupo Leya.

“Hoje em dia, com os novos dispositivos de leitura que estão disponíveis, como os novos tablets e os novos smartphones, achamos que devemos permitir a quem tem esses novos dispositivos de leitura e a quem gosta de os utilizar experimentar este livro antes que ele esteja disponível em papel. Basicamente, é uma acção que tem como principal objectivo a promoção e a experimentação deste novo tipo de formato”, indicou.

Venda de e-books ainda é baixa 

Quanto às expectativas relativas ao número de downloads, Pedro Sobral referiu que “o consumo de livros electrónicos em Portugal é um consumo ainda hoje incipiente, apesar de ter taxas de crescimento cada vez maiores”, mas disse que espera “um número bastante interessante”, tendo em conta as vendas de e-books de outros autores desde Setembro do ano passado, data em que a Leya começou a comercializar no seu site livros em formato digital.

Em “Claraboia”, que acabou de escrever em 1953, aos 31 anos, José Saramago (1922-2010) centra a acção num prédio que tem precisamente uma claraboia no telhado, por onde entra a luz natural que ilumina as escadas, e onde habitam algumas famílias, cujas histórias ele conta.

O romance “é muito rico, é muito diverso, e nota-se que já tem ali algumas coisas que o José Saramago viria a desenvolver mais tarde”, disse em entrevista à Lusa o editor da Caminho, Zeferino Coelho, no primeiro aniversário da morte do Prémio Nobel da Literatura português, em Junho deste ano.