Braga chegou ao topo com golos de Nuno Gomes e Vinícius e também muito sofrimento

Foto
Paulo Vinícius apontou o segundo golo do Sporting de Braga Foto: Luís Efigénio/nFactos (arquivo)

Leonardo Jardim apostou mais uma vez em Nuno Gomes em detrimento de Salino. Este risco custou ao Braga alguns problemas nos minutos iniciais. Com o antigo avançado do Benfica a jogar muito perto de Lima, permitiu aos madeirenses alguma superioridade numérica no meio-campo e a capacidade de anularem Hugo Viana, através da marcação impiedosa de Elizeu e Skolnik.

Os minhotos ficaram praticamente sem o homem que pensa o jogo ofensivo da equipa e foram incapazes de criar jogadas com cabeça, tronco e membros. O Nacional agradeceu o espaço para criar jogo e situações de perigo (poucas, é certo), reclamando mesmo penálti num remate de Mateus e braço de Elderson.

Mesmo assim os bracarenses tiveram as melhores oportunidades. Primeiro num remate de Hugo Viana a obrigar Marcelo a defender para a frente. Na recarga, o mesmo Hugo Viana rematou ao lado. Depois, foi a vez de Hélder Barbosa ter espaço para encher o pé, mas a bola foi devolvida pelo corpo de Neto. Ainda antes do intervalo, aos 45’, Nuno Gomes isolou-se mas falhou na cara de Marcelo.

Os minhotos passaram por uma crise de criatividade. Mas, aos 31’, Eliseu lesionou-se e saiu de maca (foi substituído por Edgar Costa). Os bracarenses aproveitaram a ausência para chegar ao golo: Baiano entrou pela direita, cruzou atrasado e Nuno Gomes emendou. O golo teve dois efeitos: colocou o Braga a ganhar e deixou o Nacional confuso, sem o controlo que tinha exibido.

Os madeirenses reorganizaram-se ao intervalo e nos primeiros minutos da segunda parte estiveram perto do empate. Aos 50’, só uma grande defesa de Quim evitou o golo num remate de Skolnik e, aos 51’, Rondon desperdiçou de forma incrível um cruzamento de Edgar Costa. Mateus, aos 62’, teve um estoiro contra o poste. Leonardo Jardim, aos 64’, tirou Nuno Gomes e fez entrar Salino. Resultou e a equipa, que estava em sofrimento, chegou ao segundo golo, aos 83’, por Vinícius.


POSITIVO e NEGATIVO

+


Quim
O guarda-redes do Braga, aos 35 anos, continua a manter todas as suas qualidades intactas e é um seguro para o treinador. Não teve propriamente muito trabalho, mas estava lá quando a equipa precisou, como no lance em que desviou a bola rematada por Skolnik.

Skolnik
O esquerdino é um dos bons valores da Liga. Foi o mais esclarecido do meio-campo madeirense e conseguiu ainda dois remates fulminantes, com o segundo a obrigar Quim à defesa da noite. Fez tremer o Braga.

-


Tempo de assistência a Elizeu
O jogador madeirense esteve muito tempo a receber assistência e desequilibrou por completo a equipa. Foi o suficiente para o Braga conseguir os espaços necessários para chegar ao primeiro golo.

Entradas do Braga
Os bracarenses sentiram muitas dificuldades no início do jogo e não conseguiram superar as marcações a Hugo Viana. Após o intervalo voltaram a ter o mesmo problema e o empate esteve muito perto. Valeu-lhes Quim e algum desacerto dos adversários.
Ficha de jogoSporting de Braga, 2
Nacional, 0

Jogo no Estádio Axa, em Braga.Assistência
Cerca de 12.000 espectadores.

Sp. Braga

Quim, Baiano, Paulo Vinícius, Ewerton, Elderson, Djamal, Hugo Viana, Alan, Hélder Barbosa (Fran Mérida, 87’), Nuno Gomes (Salino, 64’) e Lima (Carlão, 70’).

Treinador

Leonardo Jardim.

Nacional

Marcelo, Claudemir, Neto, Danielson, Nuno Pinto, Elizeu (Edgar Costa, 33’), Todorovic, Skolnik (Candeias, 70’), Mihelic, Mateus e Mário Rondon (Anselmo, 81’).

Treinador

Ivo Vieira.

Árbitro

Carlos Xistra, de Castelo Branco.

Amarelos

Neto (45’+1’), Quim (63’), Mateus (66’) e Mihelic (77’).

Golos

1-0, por Nuno Gomes, aos 33’; 2-0, por Paulo Vinícius, aos 83’.

Notícia actualizada às 21h25