FC Porto precisou de Moutinho para deixar de rematar aos ferros

Foto
João Moutinho fez o primeiro golo do jogo Reuters

Os postes, primeiro, e Diego, depois, atrasaram o quarto triunfo do campeão nacional, que ficou a uma vitória (sobre o Feirense) de chegar ao encontro com o Benfica com o máximo de pontos possível, como desejou o treinador.

Bruno Ribeiro disse que não ia jogar “de peito aberto” para não sofrer cinco golos como a União de Leiria e cumpriu, mas a equipa “desperdiçou” os seus vários jogadores talentosos na frente com uma táctica demasiado curta, sem a presença de um ponta-de-lança. Fez apenas dois remates perigosos (José Pedro e João Silva), quando já estava em desvantagem. E não conseguiu parar o adversário.

Na primeira parte não se percebeu se o FC Porto teve muito boa ou muito má pontaria, desaproveitando uma grande exibição de James Rodríguez, melhor a “n.º 10” do que a extremo. Num espaço de oito minutos, dos 21’ aos 29’, os seus jogadores acertaram três vezes nos ferros da baliza sadina. Souza, após canto, Rolando, depois de um cruzamento de Defour, e Kléber, desperdiçando uma grande assistência de James Rodríguez, não conseguiram inaugurar o marcador.

O belga, titular pela primeira vez, mostrou qualidade e agradou aos adeptos, ajudando atrás e à frente. Ele, Souza e Cristian Rodríguez foram as novidades no “onze” portista. Em modo de poupança pelo calendário cheio (na terça-feira joga com o Shakhtar), no banco ficaram Moutinho, Hulk (que também se lesionou no último jogo) e Fernando, além das ausências de Guarín, Sapunaru, Otamendi e Varela.

Ao intervalo, a entrada de Moutinho mudou o jogo. Não só porque o português jogou um pouco mais subido do que o brasileiro mas, essencialmente, porque inaugurou o marcador, num remate de fora da área aos 53’, e já depois de Diego ter evitado o golo de Defour. Foi o primeiro golo do internacional luso ao serviço do FC Porto na I Liga.

João Silva protagonizou o lance mais perigoso do V. Setúbal, que Helton resolveu. Depois, já com Hulk em campo, houve mais dois golos para os locais. James marcou o seu terceiro golo em quatro dias, depois de grandes passes de Belluschi e Hulk. O brasileiro e o argentino voltariam a combinar no 3-0, concluído com um remate de longe do “samurai”.

POSITIVODefour e Moutinho

O belga mostrou que é uma opção válida, com qualidade, para o FC Porto. Moutinho resolveu.


Bruno Amaro e Diego

O médio foi o mais rápido, presente e lutador do V. Setúbal. Diego atenuou o resultado para a sua equipa.


James Rodríguez

Marcou na segunda parte, mas foi na primeira que encantou.


NEGATIVOCristian Rodríguez

Tomou a primeira má decisão aos 2’ e essa foi a sua tendência ao longo do jogo.


V. Setúbal

Pouca ambição.


Ficha de Jogo

FC Porto, 3


V. Setúbal, 0


Jogo no Estádio do Dragão, no Porto.Assistência 36.511 espectadores.

FC Porto

Helton, Fucile, Maicon, Rolando, Alvaro Pereira, Souza (João Moutinho, 46’), Belluschi, Defour, James Rodríguez, Cristian Rodríguez (Djalma, 80’) e Kléber (Hulk, 71’). Treinador Vítor Pereira

V. Setúbal

Diego, Peter Suswam, Ricardo Silva, Anderson do Ó, Miguelito, Hugo Leal (João Silva, 59’), Neca, Bruno Amaro, Jorge Gonçalves (Rafael Lopes, 72’), José Pedro e Pitbull. Treinador Bruno Ribeiro

Árbitro

Marco Ferreira, da Madeira. Amarelos Maicon (17’), Anderson do Ó (40’), Neca (44’), Cristian Rodríguez (52’), Alvaro Pereira (54’).

Golos

1-0, por João Moutinho, aos 53’; 2-0, por James Rodríguez, aos 75’ e 3-0, por Belluschi, aos 88’.

Notícia actualizada às 23h04