Energia

Primeiro-ministro japonês insiste na saída do nuclear

Naoto Kan falava numa conferência sobre energia em Chino
Foto
Naoto Kan falava numa conferência sobre energia em Chino Kim Kyung-Hoon/Reuters

O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, insistiu ontem na redução da dependência da energia nuclear no país, defendendo o abandono desta fonte energética mais de quatro meses depois do acidente na central de Fukushima.

“Não podemos aceitar um risco capaz de destruir a Terra, mesmo que tivesse uma hipótese num milhão”, disse Kan numa conferência sobre energia em Chino, na província de Nagano, citado pela agência de notícias Kyodo.

O sismo de magnitude 9 na escala de Richter e o tsunami que se seguiu, a 11 de Março, danificaram a central nuclear de Fukushima e fizeram com que Naoto Kan mudasse de opinião sobre o nuclear, reconhecendo que os riscos ultrapassam os benefícios, disse ainda.

“As energias renováveis vão levar a uma nova revolução industrial no Japão” e estas fontes de energia serão capazes de satisfazer as necessidades energéticas do país, acrescentou.

As declarações do primeiro-ministro surgiram depois de, na sexta-feira, um painel governamental de especialistas em energia e Ambiente ter definido uma estratégia para reduzir a dependência do nuclear no Japão.

Ontem, cerca de 1700 pessoas reuniram-se na cidade de Fukushima, no Nordeste do Japão, para exigir o fim da energia nuclear. "Desmantelem todas as centrais nucleares" era uma das frases ouvidas no protesto, a 50 quilómetros da central danificada. A acção foi da responsabilidade da organização japonesa contra as bombas atómicas e de hidrogénio.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações