Bloco de Esquerda

Rui Tavares desvincula-se do BE no Parlamento Europeu

Falta de confiança política na direcção do Bloco é o motivo apontado por Rui Tavares para se desvincular do partido
Foto
Falta de confiança política na direcção do Bloco é o motivo apontado por Rui Tavares para se desvincular do partido Ana Ramalho

Rui Tavares, eurodeputado eleito pelas listas do Bloco de Esquerda (BE), anunciou hoje que se desvincula do grupo parlamentar do partido, mas mantém as suas funções como deputado independente no Parlamento Europeu, em Bruxelas.

Falta de confiança política na direcção do Bloco é o motivo apontado pelo eurodeputado. “É-me impossível manter confiança pessoal e política no Coordenador Nacional do BE e, em consequência, continuar a fazer parte da delegação no Parlamento Europeu do partido por ele liderado, passando simplesmente à condição de deputado independente, integrado no grupo dos Verdes europeus.”, afirma Rui Tavares, no comunicado enviado às redacções.

O caso prende-se com um texto publicado por Francisco Louçã, na sua página no Facebook, na passada sexta-feira, no qual o coordenador do BE imputava a Rui Tavares uma informação errónea relativa ao nome dos quatro fundadores do partido. Fernando Rosas era substituído na história por Daniel Oliveira. “Na minha resposta — pública porque tinha sido pública a nota de Louçã — neguei que alguma vez tivesse declarado, a jornalistas ou quaisquer outras pessoas, em público ou privado, que Daniel Oliveira fosse um dos quatro fundadores do BE”, diz Tavares.

“O mínimo que espero de Francisco Louçã é que esclareça a confusão que levianamente criou, peça desculpas pelo facto, e retracte o seu texto”, podia ler-se na nota de imprensa emitida pelo seu gabinete no Parlamento Europeu.

“Passaram três dias e nada disto aconteceu”. Na ausência de um pedido de desculpas público, Tavares considera que não tem condições para continuar.

Miguel Portas e Marisa Matias, os outros dois eurodeputados eleitos pelo BE, reagiram entretanto ao comunicado para afirmarem que respeitam a decisão de Rui Tavares. ”Tratando-se de uma decisão individual, registamos a desproporção entre o motivo invocado e a consequência política da decisão”, afirmam.

Contactado pelo PÚBLICO, Francisco Louçã remeteu explicações para o comunicado divulgado pelos dois eurodeputados bloquistas. E acrescentou que não iria “fazer qualquer outro comentário, dada a natureza pessoal do texto” divulgado por Rui Tavares.

À Lusa, o coordenador bloquista afirmou lamentar a decisão do eurodeputado mas disse não estar surpreendido. E rematou: “Tenho pena, mas não temo nada, antes pelo contrário”.

Para já, Rui Tavares remete todas explicações para o comunicado divulgado. Amanhã fará, na crónica semanal do PÚBLICO, uma análise da sua actividade durante dois anos no Parlamento Europeu.

Notícia actualizada às 16h50