Liga de futebol

FC Porto invicto confirmou na Madeira o seu lugar na história do campeonato

Walter e Varela marcaram os últimos golos do FC Porto na Liga 2010-11
Foto
Walter e Varela marcaram os últimos golos do FC Porto na Liga 2010-11 Reuters

“Estamos conscientes que conseguimos um feito muito difícil”, disse Varela, autor de um dos golos da vitória do FC Porto sobre o Marítimo (0-2), no Funchal, que assegurou um campeonato sem derrotas para o FC Porto. Difícil e raro. Em 77 edições da competição, este FC Porto foi apenas a terceira equipa a conseguir pontuar em todas as jornadas, batendo um recorde do clube. O próximo passo é a final da Liga Europa.

Primeiro foi o Benfica de 1972/73, treinado por Jimmy Hagan, campeão com 28 vitórias e dois empates. Depois, em 1977/78, outro plantel das “águias”, também orientado por um inglês (John Mortimore), conseguiu 21 triunfos e nove empates, saldo que, contudo, não chegou para evitar a vitória dos “dragões” nesse campeonato. Agora, foi a vez dos homens de André Villas-Boas, que só cederam pontos em três jogos (em Guimarães e Alvalade e em casa com o P. Ferreira).

Este é o principal registo da participação do FC Porto nesta Liga, mas não é o único naquela que foi uma das melhores performances de sempre de uma equipa na prova. Melhor ataque (Varela e Walter fixaram em 73 o total de golos marcados, o que equivale a uma média de 2,43 por jogo), melhor defesa (Beto foi decisivo para manter a 16 o número de golos sofridos; 0,53 por jogo) e 21 pontos de diferença para o segundo classificado. A formação “azul e branca” foi igualmente a única que marcou em todos os jogos, estendendo para 39 seguidos a série corrente na Liga, o que por si iguala também um recorde do clube, fixado na década de 40.

Os portistas conseguiram 93,3 por cento dos pontos possíveis (84 em 90), um valor que na história da equipa só foi superado pelo conjunto campeão nacional em 1939-40, que conquistou 94,4 por cento (17 vitórias e uma derrota em 18 jogos).

Hulk (23) e Falcao (16) não jogaram, mas isso não evitou que pela primeira vez desde 1975-76 – quando os benfiquistas Jordão e Nené destruíram as defesas adversárias tal como fizeram os sul-americanos do FC Porto esta temporada – dois colegas de equipa terminem nas duas primeiras posições da lista dos marcadores. O colombiano marcou tantos golos quanto João Tomás, mas fez menos jogos.

No Estádio dos Barreiros, o FC Porto dispôs das melhores oportunidades da primeira parte, altura em que fez os dois golos, e o Marítimo as da segunda, o que não chegou para evitar nem a derrota nem a descida do 8.º para o 9.º lugar. Aos 21 minutos, Varela, após um grande passe de Guarín, fez um golo bonito com o pé esquerdo, o décimo da conta pessoal na Liga. O próximo lance de perigo pertenceu novamente ao FC Porto e também resultou num golo. Desta vez a assistência foi de James Rodríguez e a finalização eficiente foi de Walter, que fez de cabeça o quinto golo na prova.

Após o intervalo, o portista que mais brilhou foi Beto, o responsável pela noite frustrante de Babá, a quem negou o golo pelo menos três vezes. A má pontaria do senegalês não permitiu que a subida do Marítimo no terreno desse pelo menos para reduzir a desvantagem.

POSITIVOFC Porto

Mesmo em regime de poupança para a final da Liga Europa com o Sporting de Braga, o FC Porto não deixou de ganhar e assegurar o último grande objectivo que lhe restava na Liga. A equipa de Villas-Boas fica na história como a primeira do clube a completar um campeonato sem derrotas.

Beto

Uma das vantagens do FC Porto é a qualidade dos habituais suplentes. O guarda-redes garantiu a 19.ª folha limpa da defesa portista na prova.

Djalma

Fez a despedida do Funchal precisamente contra a equipa que vai reforçar na próxima época. Foi o mais incómodo do ataque do Marítimo.


NEGATIVOBabá

Apareceu duas vezes isolado perante Beto e deixou que o guarda-redes levasse a melhor. Desta vez, o avançado senegalês, um dos melhores marcadores do campeonato, esteve desinspirado.


Ficha de jogo

Marítimo 0
FC Porto 2

Jogo no Estádio dos Barreiros, no Funchal Assistência cerca de 5000 espectadores.

Marítimo

Marcelo, Briguel, Robson, Roberge, Luciano Amaral, Rafael Miranda (Marakis, 29’), Alonso (Danilo Dias, 58’), Benachour, Babá, Djalma, Kléber (Heldon, 72’). Treinador Pedro Martins.

FC Porto

Beto, Sapunaru (Sereno, 46’), Rolando, Otamendi, Álvaro Pereira, Souza, Ruben Micael, Guarín (Belluschi, 60’), James Rodríguez, Varela, Walter (Mariano, 77’). Treinador André Villas-Boas.Árbitro Hugo Miguel (Lisboa). Amarelos Sereno (69’) e Marakis (74’).


Golos

0-1, por Varela, aos 21’


0-2, por Walter, aos 32’.