Maior desfile de máscaras da Europa invade Lisboa amanhã

O festival de máscaras vai na quinta edição
Foto
O festival de máscaras vai na quinta edição Pedro Cunha

O maior desfile de máscaras tradicionais da Europa percorre a Baixa de Lisboa amanhã, o momento mais esperado dos quatro dias do V Festival da Máscara Ibérica, que encerra este domingo.

“Sábado é o grande dia! Vamos ter o desfile, que é o maior da Europa, este ano com cerca de 500 participantes com máscaras tradicionais de toda a Península Ibérica e um grupo da Irlanda”, explica Hélder Ferreira, presidente da Progestur, associação sem fins lucrativos de gestão e desenvolvimento de turismo cultural, uma das entidades organizadoras.

O desfile de sábado começa na Praça do Município e termina no Rossio, que reúne a maior parte dos eventos - concertos, provas produtos regionais e de vinho, artesanato e ateliês para crianças - das regiões de Portugal e de Espanha representadas no festival.

De Portugal, desfilam sete grupos - “caretos”, “velhos”, “chocalheiros” e máscaros” de Mogadouro, Vinhais, Macedo de Cavaleiros, Lamego e Lagoa - e de Espanha chegam nove grupos - “boiteros”, “vacas”, “toros”, “carnavales” e “sidros” de Ourense, Zamora, León, Cantábria e Astúrias -, além da presença, pela primeira vez no festival, de um grupo não ibérico: The Mummers, da Irlanda.

“Mummers” significa “lugar da fertilidade”, explica Jim Ledwith, um dos membros do grupo, que começou a animar Lisboa com um concerto de música tradicional irlandesa no Rossio, mas sem máscaras porque estava um calor insuportável, no arranque do festival, na quinta-feira, e que promete também conquistar os portugueses, sobretudo as portuguesas.

“Somos a fertilidade, o florescer da Natureza, e representamos a colheita, a generosidade da terra”, prossegue o irlandês, um dos 20 membros do grupo que no sábado vai percorrer a Baixa de Lisboa com máscaras de palha. “Temos também um cavalo branco que ataca portugueses - porque não?” Cada mulher tocada pelo cavalo, garante Jim Ledwith, terá uma criança em seis meses. “Chamamos a isso fazer novos amigos por muito tempo...”

Ao longo dos quatro dias do Festival da Máscara Ibérica, a organização espera pelo menos repetir os números da edição do ano passado, com 300 mil pessoas, segundo números da Polícia Municipal.

Hoje é o dia de Cáceres, com provas de queijos e azeites, o concerto do grupo Cerandeo no Rossio e gastronomia desta região no restaurante Casa do Leão, no Castelo de São Jorge. Sábado é o dia de Zamora, também com provas de produtos regionais e o espectáculo do grupo Xera, das Astúrias, no Rossio e gastronomia no restaurante Terraço, no Hotel Tivoli.

O festival encerra no domingo, com as actuações, da Banda de Gaitas de Viana do Bolo, dos Saca Sons, de Zebreira, e ainda dos Tanira e Roncos do Diabo, de Portugal.

O festival da Máscara Ibérica está integrado nas Festas de Lisboa e, além da Progestur, é organizado pela edilidade lisboeta e pela Empresa Municipal Encarregada de Animação Cultural.