Audição na Comissão de Ética

José Sócrates pressionou o director do "Expresso" para não publicar notícia sobre licenciatura

Foto
Daniel Rocha

Foi uma tarde de opostos no Parlamento: se o director do semanário denunciou pressões, Paulo Penedos fez juramento de inocência.

José Sócrates terá pressionado o director do Expresso para que o jornal não publicasse a notícia sobre os atropelos do processo da sua licenciatura, revelou ontem Henrique Monteiro na Comissão Parlamentar de Ética. Na véspera da saída do artigo, o director recebeu "um telefonema de uma hora, bastante desagradável", do primeiro-ministro, em que este lhe pediu "por tudo para não publicar", mas nem sequer quis fazer um desmentido ou alguma correcção, salientou Henrique Monteiro.

Esta e a retirada de publicidade por parte do BES durante ano e meio por causa de um artigo de opinião publicado pelo jornal foram as maiores pressões que sofreu. Mas disse que "a verdadeira pressão" é "estar com uma pistola apontada à cabeça e dizerem-me se publicas isso eu dou-te um tiro", como lhe aconteceu há 18 anos em Angola. País onde, aliás, nenhum jornalista do seu grupo ou do PÚBLICO pode entrar, salientou.

Monteiro afirmou-se convencido que Sócrates sabia do negócio de compra da TVI pela PT e teria sido informado por Henrique Granadeiro numa reunião, em São Bento, na véspera de ir ao Parlamento, ou seja, no dia 23 de Junho. E que já na cimeira de Zamora, em Janeiro, o assunto fora abordado com o Governo espanhol. "Nunca houve uma compra ou venda de uma TV sem o primeiro-ministro saber", frisou. Monteiro deixou no ar as suas desconfianças quanto às intenções da Ongoing na Impresa, e considerou "um erro político" Sócrates apontar um jornal ou uma TV como inimigo, dizendo que o chefe do Governo tem um problema de "obsessão com a imagem".

Instado a comentar declarações em artigos de opinião antigos, Henrique Monteiro não quis concretizar a que títulos se referia ao dizer que "o gabinete do primeiro-ministro teve sempre a estratégia de secar a informação aos jornais que não controlava em detrimento dos jornais amigos".

Penedos invoca segredo

A audição do assessor jurídico da Portugal Telecom, Paulo Penedos, foi pouco conclusiva - a centrista Cecília Meireles chegou mesmo a queixar-se de que saía "mais confusa" do que entrou. Penedos multiplicou-se em justificações com a sua obrigação de segredo de justiça - por as escutas estarem ainda incluídas no processo Face Oculta - e de sigilo profissional para não responder a questões vindas de todos os partidos, fosse acerca do processo da compra da TVI ou do caso que envolve Figo e o Taguspark.

"Ninguém mais do que eu desejaria falar livremente sobre este assunto", garantiu, disponibilizando-se para voltar ao Parlamento quando o segredo de justiça for levantado, pedindo até dispensa do sigilo profissional - mas também "dependendo do que a PT me deixa ou não revelar", avisou. Questionado sobre as questões que vieram a público na transcrição de escutas no Sol, limitou-se a recusar o pressuposto de que se estaria a "esconder ou a proteger interesses estranhos ou menos respeitáveis".

Penedos afirmou que não participava em decisões, já que era um mero assessor jurídico que foi levado para a PT pelo amigo Rui Pedro Soares, a quem reportava. Que foi quem lhe passou a documentação sobre o negócio de compra da TVI para analisar em Maio.

Não quis revelar que bancos estariam envolvidos no financiamento - mas apressou-se a confirmar que nunca falou com Armando Vara "sobre a questão, nem sobre qualquer outro tipo de operação que tivesse a ver com tentativa de controlo ou manipulação de órgãos da comunicação social".

Notícia actualizada hoje, dia 25 de Fevereiro, às 08h13
Sugerir correcção