A crítica está rendida a "Avatar"

Foto

O espectáculo é "titanesco" e James Cameron está no topo do mundo. Antestreia quinta-feira em Londres, estreia em Portugal a 17

A longa-metragem em 3D, "Avatar" de James Cameron (o realizador de "Titanic" que regressa aos ecrãs doze anos depois), foi bem recebida pelos críticos que assistiram na quinta-feira à ante-estreia, em Londres. Este é o filme tem sobre si o peso de muitas expectativas da indústria de cinema: a de que irá mudar Hollywood. Estreia em Portugal a 17 de Dezembro

Alex Billington do "site" de cinema FirstShowing.net saiu da sala e enviou para o Twitter a mensagem: "James Cameron é um génio! Não posso dizer muito, mas uau, adorei o filme".

As críticas só deveriam ser publicadas nos media na próxima semana mas alguns críticos não resistiram e romperam o embargo chamando ao realizador "o Rei do Mundo" ("Top of the World", gritava Leo DiCaprio em "Titanic") e considerando o filme "um espectáculo irresistível". Foi o caso do "The Times": "‘Avatar' é um espectáculo irresistível onde ficamos imersos" - quatro estrelas em cinco. A revista "Empire" deu-lhe a pontuação máxima (cinco estrelas).

Outro jornal britânico, o "The Guardian", escreveu que os efeitos especiais são "notáveis" e os jornalistas têm a certeza que esta superprodução de ficção-científica vai mais longe do que tudo o que se já viu até aqui. A mesma opinião do "The Sun": "Este é um filme 3D de que as pessoas dirão no futuro que transformou o cinema. A cena de batalha final tem 20 minutos e é absolutamente estonteante". A única razão, avança o "The Sun", por que "Avatar" não vai ultrapassar os números de "Titanic" é a escassez de ecrãs digitais no mundo preparados para projectar em todo o seu esplendor as imagens a 3 Dimensões.

"O Rei do Mundo" criou um outro mundo em "Avatar" e é um "lugar que vale muito a pena visitar" escreveu Todd McCarthy, da norte-americana "Variety". Para Mike Goodridge, da "Screen International", os efeitos especiais são dos mais surpreendentes já vistos nos ecrãs. "Trata-se um casamento entre a tecnologia e a arte de contar uma história - sem precedentes - e que resulta muito bem".

Por sua vez, o "Hollywood Reporter" chama-lhe "espectáculo titanesco" e afirma que "a magia do cinema está de regresso! Doze anos depois, James Cameron mostra que tinha razão: ele é o Rei do Mundo".

Quinta-feira à noite, em Londres, o realizador norte-americano desfilou na passadeira vermelha com os principais actores do filme: Sigourney Weaver, Sam Worthington, Zoe Saldana e Stephen Lang. O estúdio que produziu o filme, a Century Fox, espera conseguir repetir o feito de "Titanic" que além de ter recebido onze Óscares detém até agora o recorde de receitas de bilheteira a nível mundial (1,8 mil milhões de dólares).