Um país com pouca história

Já há cursos em videojogos, falta mão-de-obra especializada

Mariana Cardoso diz que se contratam pessoas sem formação na área
Foto
Mariana Cardoso diz que se contratam pessoas sem formação na área Shamila Mussá

Em 2006, uma empresa portuguesa chamada Move Interactive levou um trailer à maior feira internacional de jogos do mundo, a E3, em Los Angeles. Ugo Volt era um título de acção, com sofisticados gráficos tridimensionais e que se desenrolava numa Lisboa pós-apocalíptica. “O feedback foi estrondoso”, lembra Roberto Varela, fundador da Move.
Por essa altura, o jogo também fazia as delícias dos media portugueses.

A empresa tinha angariado quase 600 mil euros numa primeira ronda de investimento. A dada altura, a Move empregava 14 pessoas. Mas o jogo nunca chegou a ser produzido. O principal problema, recorda Varela, foram dois milhões e 200 mil euros a menos. Era esse o valor que a empresa queria obter numa segunda ronda de investimento para produzir o jogo Ugo Volt. Mas os fundos (nomeadamente aqueles que Varela esperava receber do Estado) nunca chegaram. O número de funcionários foi reduzido para seis e a Move foi até contratada pela SIC, para fazer um jogo baseado na Floribella, uma novela da estação de grande sucesso. “Foi só para fazer dinheiro”, avalia.

Sem capital e com uma equipa pequena, convencer as grandes editoras a apoiarem e comercializarem Ugo Volt foi impossível. Sobretudo porque Portugal é um país sem tradição a produzir videojogos. “Diziam-nos que o jogo era interessante, mas que a equipa reduzida não oferecia credibilidade, duvidavam que conseguíssemos reunir as pessoas necessárias num país sem historial e teríamos de importar muita mão-de-obra do estrangeiro”, explica o fundador e hoje o único funcionário da empresa.

A Move está agora num projecto de desenvolvimento de tecnologia com o Instituto Superior Técnico, da Universidade Técnica de Lisboa. Mas fazer jogos não está no horizonte de Ricardo Varela. Filipe Pina, da Seed Studios, resume o problema da falta de tradição: “É difícil negociar [com as editoras]. Não há histórico de fazer videojogos em Portugal, não há pessoas com know-how”.

Mariana Cardoso, da Gameinvest, diz que a solução é contratar pessoas sem conhecimentos específicos na área, mas que tenham “uma paixão por videojogos”. E Diogo Horta e Costa, fundador da Biodroid, uma outra empresa portuguesa, sublinha que “existem excelentes programadores [informáticos] em Portugal, mas não têm experiência a trabalhar com a complexidade técnica das consolas”.

Recentemente, abriram em Bragança e Barcelos cursos voltados para a produção de videojogos e alguns cursos de informática oferecem cadeiras opcionais nesta área. O mundo académico tem-se vindo a interessar pela área, nota o presidente da Associação Portuguesa de Ciências dos Videojogos e professor na Universidade do Minho, Nélson Zagalo. No final desta semana, por exemplo, a Universidade de Aveiro promove dois dias de conferências sobre o tema. Zagalo diz que ainda é cedo para avaliar o impacto dos cursos. “Esperamos que estes dois cursos possam colocar no mercado pessoas capazes de incitar e movimentar a indústria criando as suas próprias empresas”. E lembra que o sector não é só feito de grandes produções: “Existem muitas outras oportunidades, como a vaga que estamos a atravessar com os jogos sociais para o Facebook, que têm tido um sucesso enorme”.