Crítica

Delorean

Os Delorean aproximam-se mais da pista de dança, mas com muito sol e areia por perto

Em actividade desde 2000 os Delorean são de Barcelona. Em Portugal são ilustres desconhecidos. Não é surpreendente, porque apenas a partir do ano passado começaram a dar que falar, na net, graças a uma série de remisturas e de lançamentos em formatos reduzidos. Antes haviam editado alguns álbuns numa linha rock algo convencional que não deixou marcas.

O mini-álbum "Ayrton Senna", na etiqueta francesa Fool House, é outra coisa: pop electrónica eufórica, solarenga, com alusões aos veteranos New Order ou aos novatos Cut Copy, mas que nem por isso deixa de evidenciar personalidade própria, com vozes juvenis, movimentações rítmicas em crescendo e construções harmónicas de efeito imediato. Daqui resultam temas possuídos por um espírito pop radioso absolutamente contagiante. Também natural de Barcelona, o DJ e produtor John Talabot contribui com uma óptima remistura para a faixa "Seasun", aproximando ainda mais os Delorean da pista de dança, mas com muito sol e areia por perto.