Guimarães tem o cineclube do país com maior número de espectadores

Foto

O Cineclube de Guimarães foi também, paradoxalmente, o que perdeu mais espectadores no ano passado, mais de metade em relação a 2007

Guimarães tem o cineclube do país que regista maior número de espectadores, tendo sido frequentado, em 2008, por 5555 pessoas. Um número 52 por cento inferior ao de 2007, que foi de 8450, mas que o mantém na frente em termos de bilheteira. Estes dados constam de um estudo do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA) a que o PÚBLICO teve acesso.

O segundo cineclube mais frequentado foi o ABC - Cineclube de Lisboa, com 5344 espectadores. Já o Cineclube de Aveiro, apesar de ter perdido 38,7 por cento dos espectadores (3118 em 2008 contra 4325 em 2007) é o que mais sessões promove anualmente, um total de 229, seguido do Cineclube de Tavira (156 sessões).

No que se refere à origem dos filmes exibidos em 2008, 21% tiveram origem na Europa, 21% nos EUA e 16% em Portugal. As co-produções europeias representaram 14% dos filmes projectados, as produções EUA/Europa 12%, EUA/outros países 7% e Europa/outros países 6%.
Das 19 Associações/Cineclubes consideradas no estudo, nove apresentaram perdas de espectadores e dez conquistaram mais público, tendo a Associação Cultural e Recreativa de Tondela, em Viseu, obtido o maior aumento, 73% (385 espectadores em 2007, contra 1430 em 2008). Paradoxalmente, o Cineclube de Guimarães foi o que apresentou uma queda mais acentuada de espectadores, assim como o da Universidade de Évora (-39%).

Segundo a Federação Portuguesa de Cineclubes (FPC), actualmente existem 30 cineclubes federados e desde Novembro de 2008 nasceram mais dois, um em Angra do Heroísmo, nos Açores, e outro em Tomar. O Cineclube de Santarém está a ser reactivado. Para a presidente da FPC, Rita Freitas, "os cineclubes têm vindo a ganhar força junto das populações". "Fora dos grandes centros urbanos não há oferta alternativa ao cinema americano, a não ser o cinema exibido pelos cineclubes."
Nas últimas décadas, o cineclubismo afirma-se como uma alternativa à programação das salas dos centros comerciais, promovendo a divulgação de uma cinematografia menos convencional. "É uma oportunidade de ver cinema de uma forma diferente e de entendê-lo de um ponto de vista menos comercial e mais académico", acrescenta Rita Freitas.
Para o Centro de Estudos Interdisciplinares do Séc. XX da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra que estuda a história do cineclubismo em Portugal criou um blogue onde reúne e disponibiliza dados sobre a história deste movimento. Segundo Paulo Granja, um dos coordenadores do projecto, o objectivo também é "tentar chegar a pessoas mais velhas que tenham participado na construção dos cineclubes em Portugal, de forma a reconstruir a sua história".