Jornadas do PSD

Manuela Ferreira Leite acusa Sócrates de não ser confiável

Ferreira Leite encerrou as jornadas do partido em Évora
Foto
Ferreira Leite encerrou as jornadas do partido em Évora Luís Ramos (arquivo)

A presidente do PSD defendeu hoje que o primeiro-ministro não é confiável, entre outros motivos por alegar desconhecer o conteúdo do orçamento e por ter afirmado que sabe da crise internacional desde o início do ano.

No discurso com que encerrou as jornadas parlamentares do PSD, em Évora, Manuela Ferreira Leite salientou a importância de se confiar naqueles que exercem o poder, dizendo que "nada será eficaz se não se confiar em quem decide".

Logo em seguida, a presidente do PSD procurou classificar o primeiro-ministro, José Sócrates, como um político em quem não se pode confiar, acusando-o de incoerência.

"Não podemos confiar em alguém que diz hoje uma coisa e amanhã o seu contrário, que afirma algo como se fosse verdade e depois age exactamente ao contrário do que apregoou", defendeu, referindo-se ao pagamento das dívidas do Estado anunciado no domingo pelo Governo.

Segundo Manuela Ferreira Leite "há inúmeros exemplos desta duplicidade".

A presidente do PSD referiu-se depois ao "episódio da apresentação do orçamento [do Estado para 2009] assinado por quatro ministros".

"O Governo introduz uma importante alteração à lei do financiamento dos partidos, que tentou que passasse despercebida a todos os deputados. Denunciada a iniciativa, o Governo apressou-se a desmentir, acusando a oposição de erro de interpretação. Depois evoluiu para a gralha. Finalmente negou conhecer sequer a existência da norma e do seu autor", descreveu.

"Como se pode confiar num Governo que entrega na Assembleia da República um documento com a importância da lei orçamental sem sequer verificar o que ele contém?", questionou.

Manuela Ferreira Leite acrescentou mais à frente que "na verdade com o engenheiro Sócrates nunca se sabe de que lado está a verdade" e apontou como exemplo "o que se passou com a crise financeira".

"Por um lado, actuou sempre como se tivesse sido apanhado de surpresa. Depois assegurou que Portugal era imune à crise. Afinal há dez dias numa entrevista afirmou que 'a crise financeira já era visível no início deste ano'. Como se pode confiar num primeiro-ministro que não tomou em consideração na sua actuação política um facto desta gravidade? E agora confessa que afinal já a conhecia desde o início do ano?", interrogou a presidente do PSD.