Justiça italiana pune teste antidoping positivo em 2001

Fernando Couto condenado a quatro meses de prisão com pena suspensa

Couto terá ainda de pagar uma multa de quatro mil euros por violação de legislação antidopagem
Foto
Couto terá ainda de pagar uma multa de quatro mil euros por violação de legislação antidopagem Daniel Rocha/PÚBLICO

Um tribunal de Florença, Itália, condenou hoje o futebolista ex-internacional português Fernando Couto a quatro meses de prisão, com pena suspensa, devido a um controlo antidoping positivo registado há seis anos.

Segundo a agência espanhola EFE, Couto, defesa central do Parma, penúltimo classificado do campeonato italiano, terá ainda de pagar uma multa de quatro mil euros por violação de legislação antidopagem.

Este processo foi originado pela detecção de nandrolona num teste antidopagem realizado no dia 28 de Janeiro de 2001, após um jogo, a contar para a Taça de Itália, entre a Fiorentina e a Lázio, clube no qual jogava o jogador português. A nível disciplinar, Couto foi suspenso inicialmente por dez meses e multado em cem milhões de liras (51,6 mil euros), pena reduzida depois a quatro meses de inactividade.

A Itália possui uma das mais duras legislações antidopagem a nível mundial, que, segundo a AFP, prevê penas de prisão entre três meses e três anos. Como nesta lei o doping é considerado um delito, o controlo positivo de Couto originou a abertura de um inquérito pelo Ministério Público de Florença. No julgamento, o procurador Luigi Bocciolini pediu ao tribunal cinco meses de prisão para o português e o pagamento de uma multa de cinco mil euros. Ugo Longo, advogado do central luso, pediu a absolvição do seu cliente, mas sem sucesso.

Couto não foi o primeiro desportista a ser condenando em tribunal por doping. Além dos vários casos registados no ciclismo, um teste positivo por detecção de nandrolona também levou o futebolista ex-internacional espanhol Josep Guardiola a ser condenando a sete meses de prisão, com pena suspensa.