Entre Lisboa e Leiria

Intercidades na Linha do Oeste não passou do papel

O comboio devia ter arrancado a 16 de Junho e não há nova data prevista
Foto
O comboio devia ter arrancado a 16 de Junho e não há nova data prevista Eduardo Martins

Anunciado para começar a circular a 16 de Junho, o intercidades da linha do Oeste, que iria ligar Lisboa a Leiria aos fins-de-semana, nunca passou do papel. A ex-futura ligação consta dos horários oficiais dos caminhos de ferro portugueses, mas avisos nas estações informam que, "por motivos de ordem técnica", foi "adiada" a sua entrada ao serviço. Oportunamente, acrescenta a mesma informação, "será anunciada a data de implementação da nova ligação".

Contactada pelo PÚBLICO, a CP limita-se a fizer que a empresa não tinha, afinal, anunciado para 16 de Junho a nova ligação -desmentindo, assim, não só os avisos afixados nas estações como o seu próprio "site", que refere explicitamente aquela data como a "prevista" para a inauguração do novo serviço.

As razões do adiamento não foram tornada públicas, mas o PÚBLICO apurou que estas se prendem com dificuldades relacionadas com o furgão gerador que deveria alimentar o ar condicionado das carruagens.

Por outro lado, não terá sido indiferente a este adiamento a recente nomeação de um novo responsável para a Unidade de Viagens Interurbanas e Regionais, Martins de Brito, que procede da Unidade de Suburbanos da Grande Lisboa e entretanto foi nomeado para a administração da CP. Martins de Brito poderá ter planos diferentes para este serviço.

O lançamento do novo comboio apenas aos fins-de-semana (à sexta de Lisboa para Leiria e ao domingo em sentido contrário) pode ter sido considerado uma medida demasiado tímida. Além disso, estava previsto que a composição, depois de deixar os últimos passageiros em Leiria, seguisse vazia até à Figueira da Foz, onde teria obrigatoriamente de recolher para limpezas, regressando a Leiria também sem passageiros.

Ao todo, seriam 104 quilómetros em que o comboio circularia vazio.

Por outro lado, carecia de alguma racionalidade económica uma oferta de fim-de-semana limitada apenas ao trajecto entre a capital e Leiria, deixando de fora os clientes deste eixo que quisessem ir para Coimbra e para a linha do Norte. Isto porque os horários deste intercidades não se articulam com os dos comboios das outras linhas. O intercidades do Oeste tinha paragens previstas no Cacém, Torres Vedras, Bombarral, Caldas da Rainha, S. Martinho, Marinha Grande e Leiria.